home

PS recordou Maria de Jesus Barroso: “Uma grande senhora” e uma “referência ética, cívica e política”

PS recordou Maria de Jesus Barroso: “Uma grande senhora” e uma “referência ética, cívica e política”

Maria de Jesus Barroso foi ontem uma vez mais recordada pelo Partido Socialista, a pretexto do Dia Internacional da Mulher, como uma das grandes referências na luta pela democracia, numa homenagem que decorreu em Lisboa, na sede nacional do PS, organizada pelas Mulheres Socialistas.

Publicado por:

Acção socialista

Ação Socialista

Órgão Nacional de Imprensa

O “Ação Socialista” é o jornal oficial do Partido Socialista, cujo(a) diretor(a) responde perante a Comissão Nacional. Foi criado em 30 de novembro...

Ver mais

Notícia publicada por:

Homenagem a Maria de Jesus Barroso

Há pessoas que marcam para sempre com o seu exemplo, coerência, abnegação e luta pelos direitos humanos, o modo como vivemos hoje. Maria de Jesus Barroso é disto um exemplo. Fundadora do PS, mulher do antigo líder socialista Mário Soares, Maria de Jesus Barroso deixou-nos um legado imenso e uma “marca indelével” na memória coletiva dos portugueses, alguém que António Guterres, secretário-geral da ONU, classificou como “uma grande senhora”, uma “das maiores do século XX” português, destacando o “contributo decisivo que deu na transição para a democracia”.

Para além de António Guterres, que participou nesta homenagem através de uma mensagem de vídeo, foram vários os testemunhos presenciais que marcaram presença na iniciativa, com Elza Pais a destacar o papel determinante que a antiga primeira dama teve na “luta pela democracia”, alguém, como recordou a líder das Mulheres Socialistas, que nunca deixou de ser uma “fonte de inspiração para todos nós”, garantindo que a sua memória “prolongar-se-á além deste tempo”.

A dirigente socialista não deixou de manifestar, contudo, uma profunda tristeza por se estar a comemorar um dia tão especial para as mulheres numa altura em que o mundo assiste indignado ao drama vivido pelas mulheres ucranianas a fugirem da guerra, um conflito que Elza Pais não hesita em apontar como impensável no “século XXI e em plena Europa dos direitos”.

Presente nesta iniciativa das Mulheres Socialistas, a que assistiu ao lado do irmão, João Soares, Isabel Soares recordou a mãe, que morreu em 2015, como um “símbolo para todos”, uma mulher de “fortes convicções e de causas”, como mencionou, e um “exemplo de coragem e luta pela democracia antes e depois do 25 de Abril”.

Referência ética, cívica e política

Também o Secretário-geral adjunto do PS, José Luís Carneiro, marcou presença nesta homenagem, para lembrar os “vários papéis” que Maria de Jesus Barroso desempenhou ao longo da sua vida, referindo o “combate antifascista”, o papel determinante que teve na fundação do PS, mas também enquanto “deputada, atriz, professora, mãe, dirigente associativa, presidente da Cruz Vermelha portuguesa e da Fundação Pró-Dignitate”, entre outras tarefas que desempenhou sempre “com dignidade, uma especial competência e uma grande sensibilidade”.

O dirigente socialista destacou ainda a forma “humanista” como Maria de Jesus Barroso soube encarou a vida e as funções de “natureza institucional que lhe foram confiadas”, deixando sempre “uma marca indelével no espírito e no coração dos portugueses”, uma personalidade que José Luís Carneiro classificou como uma grande “referência ética, cívica e política”.

Para além de Isabel e João Soares, Elza Pais e José Luís Carneiro (Manuel Alegre não pôde estar presente por motivos de saúde), participaram também nesta homenagem os historiadores Fernanda Rollo e António Reis, a jornalista da RTP Fátima Campos Ferreira, entre outras destacadas personalidades que recordaram o percurso de vida da homenageada e os momentos que com ela partilharam.

ARTIGOS RELACIONADOS