home

Programa de alojamento de sem-abrigo “foi uma pedra no charco de mudança nas respostas”

Programa de alojamento de sem-abrigo “foi uma pedra no charco de mudança nas respostas”

O programa de alojamento “foi uma pedra no charco de mudança nas respostas integradas às pessoas sem-abrigo”, afirmou ontem a ministra Ana Mendes Godinho, em Coimbra, onde presidiu à assinatura dos primeiros protocolos para implementar soluções de resposta habitacional.

Publicado por:

Acção socialista

Ação Socialista

Órgão Nacional de Imprensa

O “Ação Socialista” é o jornal oficial do Partido Socialista, cujo(a) diretor(a) responde perante a Comissão Nacional. Foi criado em 30 de novembro...

Ver mais

Notícia publicada por:

Ana Mendes Godinho

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, esteve esta quarta-feira, em Coimbra, na assinatura de protocolos entre o Instituto da Segurança Social e a Associação Integrar, com vista a implementar soluções habitacionais para pessoas em situação de sem-abrigo.

Ana Mendes Godinho afirmou que o programa de alojamento de pessoas em situações de sem-abrigo “foi uma pedra no charco” ao criar um novo paradigma ao nível das respostas integradas destinadas às pessoas em condição de sem-abrigo.

A ministra considera que é necessário “continuar com estas respostas integradas e priorizando cada vez mais a intervenção a nível de prevenção”, pelo que, face ao sucesso obtido, o programa “é para continuar” e não pode voltar “para atrás”.

Os protocolos ontem assinados vão garantir a resposta a 20 cidadãos em Coimbra (cinco em apartamentos partilhados e 15 em ‘housing first’) e constituem os primeiros assinados no âmbito do programa lançado em 2021.

O programa abrange, nesta fase, cerca de 500 pessoas, sendo que os programas previstos podem alcançar um universo de seis centenas de pessoas. “Espero que os 600 sejam já todos assinados nos próximos meses, idealmente no próximo mês. As candidaturas foram apresentadas em setembro e estamos aqui a imprimir uma grande rapidez”, sublinhou a governante.

Os programas “garantem um direito básico”: “que estas pessoas tenham um alojamento, que também é uma condição básica de reintegração”, concluiu Ana Mendes Godinho.

ARTIGOS RELACIONADOS