home

Jorge Sampaio [1939-2021]

Jorge Sampaio [1939-2021]

O Partido Socialista, ao tomar conhecimento do falecimento do ex-Presidente da República e seu antigo Secretário-Geral Camarada Jorge Sampaio, vem tornar públicos os seus mais profundos sentimentos pela partida de um dos seus e, mais que isso, de um dos melhores de nós todos, portugueses. Portugal e o mundo despedem-se hoje de um intérprete notável da solidariedade sem fronteiras e sem barreiras.

Publicado por:

Acção socialista

Ação Socialista

Órgão Nacional de Imprensa

O “Ação Socialista” é o jornal oficial do Partido Socialista, cujo(a) diretor(a) responde perante a Comissão Nacional. Foi criado em 30 de novembro...

Ver mais
Jorge Sampaio

Nascido em 1939, em Lisboa, veio a licenciar-se no ano de 1961 pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, onde juntou à atividade académica e associativa a ação política sustentada e continuada de oposição à ditadura então vigente. O avolumar da sua consciência política viria a dar-se ainda enquanto estudante universitário. Foi Presidente da Associação Académica da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, em 1959-60 e em 1960-61, e Secretário-geral da Reunião Inter-Associações Académicas (RIA), em 1961-1962, tornando-se, nessa qualidade, dos grandes nomes e rostos da contestação estudantil ao regime ditatorial que desencadeou a crise académica de 1962.

Nas eleições legislativas de 1969, volta a desafiar o regime, candidatando-se à Assembleia Nacional pela Comissão Democrática Eleitoral (CDE). A sua atividade política e intelectual desta altura fica marcada pela constância e pela resistência à ditadura, defendendo um novo modelo, em que imperassem a polifonia democrática e a liberdade, de base socialista e em sintonia com os novos contornos daquele que era o novo pensamento político europeu.

Advogado de mérito, tendo frequentemente representado presos políticos, bateu-se pelo papel cívico dessa classe profissional e pelo estabelecimento das liberdades e de um regime democrático que atendesse a todos.

Logo após o 25 de Abril, de 1974, foi fundador do Movimento de Esquerda Socialista (MES), que viria a abandonar logo no primeiro congresso. Em março de 1975, com Melo Antunes como Ministro dos Negócios Estrangeiros, é nomeado Secretário de Estado da Cooperação Externa do IV Governo Provisório. No decorrer do mesmo ano, funda, juntamente com outros políticos e intelectuais, a Intervenção Socialista, movimento dedicado à reflexão política.

A adesão formal ao Partido Socialista viria a dar-se em 1978 e, nas eleições legislativas de 1979, seria eleito deputado à Assembleia da República, precisamente pelo Partido Socialista, a cujo Grupo Parlamentar presidiu entre 1986 e 1987. Foi eleito Secretário-geral do PS em 1989, assumindo essas funções até 1992.

Um importante passo do seu percurso político foi a Câmara Municipal de Lisboa, para a qual foi eleito Presidente em 1989, depois de ter conseguido formar uma candidatura multipartidária e com grande representação cívica e associativa. Marcou o desempenho dessas funções pela visão estratégica, por uma preocupação social fortemente inclusiva e por uma modernização da cidade de que hoje todos os lisboetas beneficiam. Deixaria esse cargo em 1995, para se candidatar à Presidência da República, sendo eleito logo à primeira volta, tendo sido reeleito em 2001.

A Presidência da República de Jorge Sampaio, em ambos os mandatos, carrega a marca indelével da cultura humanista. Mas não se esgota aí. Além-fronteiras, e além de um forte impulso à plena integração europeia, o Presidente da República Jorge Sampaio fez ecoar em todo o mundo a voz de Portugal na defesa da causa pela independência de Timor e presidiu à transferência de soberania de Macau para a República Popular da China. Os dois mandatos de Jorge Sampaio no mais alto e digno cargo da nossa nação ficaram também marcados pela reflexão em torno dos poderes do Presidente da República, enquanto referência e baluarte de estabilidade política e do regular funcionamento das instituições democráticas.

Após a Presidência da República, Jorge Sampaio continuou a pautar a sua vida pela defesa dos valores humanistas, da ética e da solidariedade. O conjunto da sua obra publicada, versando temas culturais, sociais e políticos, nacionais e internacionais, é apenas um dos muitos exemplos que ilustram o seu legado. Outro é certamente a Associação Plataforma Global para Estudantes Sírios (APGES), criada sob sua égide e com o intuito de criar condições para jovens sírios poderem continuar a estudar apesar da guerra civil.

Dando continuidade à sua intensa atividade em prol de um mundo cada vez mais solidário e mais justo para todos, em maio de 2006, foi nomeado pelo Secretário-Geral da Organização das Nações Unidas Enviado Especial para a Luta contra a Tuberculose. Em 26 de abril de 2007, foi nomeado Alto Representante da ONU para a Aliança das Civilizações pelo Secretário-Geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon. A ONU reconheceria o trajeto mundial de Jorge Sampaio na defesa dos direitos humanos, ao escolhê-lo para ser um dos vencedores do Prémio Nelson Mandela em 2015, na primeira vez na história das Nações Unidas que o prémio foi atribuído.

Também Portugal soube expressar a Jorge Sampaio a sua imensa gratidão, patente nos quatro doutoramentos honoris causa que lhe foram outorgados, pela Ordem da Liberdade e pela Ordem do Infante D. Henrique – apenas para citar dois exemplos – que lhe foram atribuídas e pelas inúmeras homenagens de cariz civil e espontâneo que lhe foram prestadas ao longo dos anos, como testemunho de afeto e de gratidão.

Hoje, no dia em que o grande coração do nosso Camarada Jorge Sampaio deixou de bater, é altura de os socialistas e todos os portugueses lhe prestarem uma última homenagem de reconhecimento. Usando palavras que ele mesmo dirigiu aos lisboetas, é altura de lhe deixar um aceno de eterna saudade.

A sua esposa, filhos e demais familiares e amigos, o Partido Socialista endereça as mais sentidas condolências, manifestando-lhes a mais profunda solidariedade. A todos, asseguramos que saberemos desempenhar com elevação o dever de manter viva a chama da sua memória e o exemplo da sua luta incansável por um mundo melhor para todos.

ARTIGOS RELACIONADOS