home

Aumento da receita fiscal nos últimos seis anos com mais emprego e menos impostos

Aumento da receita fiscal nos últimos seis anos com mais emprego e menos impostos

A primeira decisão da maioria do PS, logo a seguir às próximas eleições legislativas de 30 de janeiro, será “aprovar o Orçamento do Estado que outros partidos rejeitaram” e que assegura a “baixa de impostos sobre a classe média, sobre as famílias com filhos e sobre os jovens em início de carreira”. Esta a garantia deixada pelo Secretário-geral socialista, António Costa.

Publicado por:

Acção socialista

Ação Socialista

Órgão Nacional de Imprensa

O “Ação Socialista” é o jornal oficial do Partido Socialista, cujo(a) diretor(a) responde perante a Comissão Nacional. Foi criado em 30 de novembro...

Ver mais

Notícia publicada por:

António Costa

O líder socialista referiu ainda que com a aprovação do OE2022 fica garantido que “mais de 170 mil famílias ficarão isentas do pagamento de IRS”, e que as micro, pequenas e médias empresas “deixarão de pagar o Pagamento Especial por Conta”, permitindo-lhes deste modo “aumentar a sua liquidez”.

Num vídeo hoje divulgado, no dia em que terá um frente-a-frente nas televisões com o presidente do PSD, António Costa volta a desmistificar a tese da direita de que os governos do PS aumentaram a carga fiscal, sublinhando que a mesma esbarra na realidade dos factos.

Lembrando que o PS “não subiu a taxa contributiva, quer dos trabalhadores, quer das empresas”, o Secretário-geral socialista e primeiro-ministro explanou que, quando se fala de um “aumento da carga fiscal”, não se trata de qualquer subida nos impostos, mas tão só de um valor que integra o aumento das contribuições para a Segurança Social, e estas crescem “com o emprego e com os vencimentos”.

“Nestes seis anos, como o desemprego baixou para metade e os vencimentos aumentaram, a receita das contribuições para a Segurança Social cresceu, apesar de o meu Governo não ter subido a taxa contributiva, quer dos trabalhadores, quer das empresas. É esta componente da contribuição social que tem conduzido ao aumento da carga fiscal. Não são os impostos”, acentua.

Pelo contrário, reforça, com o Governo do PS, “o peso dos impostos no PIB, na economia, diminuiu um ponto percentual”.

António Costa lembra, por outro lado, que não foi o PS que fez “o brutal aumento de impostos de que ainda todos nos lembramos”. Pelo contrário, referiu, o que “nós temos vindo a fazer é a desmontá-lo”, designadamente baixando o IVA da restauração e da eletricidade, sendo que a nível do IRS “temos vindo a acabar progressivamente a partir de 2016 com a sobretaxa, devolvendo às famílias cerca de 800 milhões de euros”.

Já em 2018, lembra ainda o Secretário-geral do PS, o Governo socialista iniciou o desdobramento dos escalões do IRS, devolvendo mais de 340 milhões de euros às famílias, enquanto que para as empresas avançou com uma reestruturação do IRC, diminuindo o imposto para as empresas que “reforçaram capitais próprios e que investiram na inovação e nas regiões interiores do país”.

ARTIGOS RELACIONADOS