home

António Costa destaca “vontade recíproca” de NATO e da UE trabalharem juntas na energia

António Costa destaca “vontade recíproca” de NATO e da UE trabalharem juntas na energia

O primeiro-ministro, António Costa, destacou na quinta-feira, em Bruxelas, a “inequívoca vontade recíproca” de a Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO) e a União Europeia (UE) trabalharem juntas para garantir a segurança do abastecimento energético da Europa.

Publicado por:

Acção socialista

Ação Socialista

Órgão Nacional de Imprensa

O “Ação Socialista” é o jornal oficial do Partido Socialista, cujo(a) diretor(a) responde perante a Comissão Nacional. Foi criado em 30 de novembro...

Ver mais
António Costa

“Ficou muito claro aqui o reforço da relação transatlântica, não só entre países europeus, o Reino Unido e os Estados Unidos, e o facto de já a seguir termos o Presidente Biden no Conselho Europeu é um excelente sinal de que é inequívoca a vontade recíproca da NATO e da UE trabalharem em conjunto”, salientou António Costa, falando aos jornalistas portugueses em Bruxelas, após a cimeira de líderes da Aliança.

O líder do Governo vincou que esta parceria é “muito importante do ponto de vista da defesa e militar”, mas também “na defesa a uma escala mais global, assegurando a segurança das linhas de abastecimento e contribuindo para resolver aquele que é um problema central na Europa” e que tem a ver “com a sua segurança energética”, nomeadamente no que respeita à “elevada dependência energética da Rússia”.

“Sabemos que, a médio prazo, a solução está na aposta das energias renováveis e países como Portugal podem dar um contributo extraordinário para reforçar a autonomia estratégica da Europa, mas no curto prazo implicará diversificar as fontes de investimento de gás e em que os Estados Unidos podem ser um contribuinte muito relevante”, acrescentou.

“Apoio total” à Ucrânia e defesa intransigente do território da NATO

Numa cimeira marcada pela tensão da guerra levada a cabo pela Rússia, António Costa destacou a posição de “apoio total” da Aliança Atlântica à Ucrânia.

“Nesse sentido, vamos continuar, do ponto de vista bilateral, a apoiar a Ucrânia e, enquanto aliança defensiva, vamos continuar a reforçar a nossa posição em toda a frente leste, tendo em vista assegurar essa mensagem clara de dissuasão”, adiantou.

“A NATO é uma aliança defensiva, não desencadeia a guerra, não intervém em guerra em território terceiro, e por isso não está a participar em ações militares no território da Ucrânia. Dá apoio militar, dá apoio político, dá apoio moral, dá apoio económico, não intervém militarmente. Mas é uma aliança defensiva, e tem de ficar muito claro que no território da NATO ninguém entra”, completou António Costa.

O líder do Governo português observou, também, que a ofensiva da invasão russa à Ucrânia teve como resultado duas derrotas claras para Putin: “a extraordinária capacidade de resistência dos ucranianos, que demonstraram bem a sua alma nacional e a sua vontade de proteger a independência do seu território”, e “ter dado uma nova vida à NATO”, que demonstrou estar “bem viva”, reforçando “significativamente os seus laços transatlânticos”.

Investimento em Defesa atualizado até junho

O primeiro-ministro referiu também que os países da NATO se comprometeram a atualizar os seus planos de investimentos em Defesa até à cimeira de junho.

Neste domínio, apontou, “Portugal tem dois desafios: um, aumentar o seu orçamento global em defesa, e, um segundo, que não é menos importante, aumentar, dentro do orçamento de Defesa, o peso do investimento em equipamento”.

Este investimento, disse ainda, deve “melhorar as capacidades das Forças Armadas”, e, também, servir de “forte estímulo para a participação e o desenvolvimento da indústria nacional”, não apenas para “aumentar as capacidades das Forças Armadas, mas também para dinamizar um projeto de reindustrialização do país”.

O primeiro-ministro deu o exemplo do que tem sido feito na “área da aeronáutica, das comunicações, dos drones, do equipamento com o projeto do ‘soldado português’, ou no têxtil”, apontando o objetivo de integrar este investimento “no sistema científico e tecnológico nacional”.

ARTIGOS RELACIONADOS