home

UE aprova conclusões sobre equidade e inclusão na educação

UE aprova conclusões sobre equidade e inclusão na educação

O Conselho da União Europeia (UE), atualmente presidido por Portugal, aprovou esta segunda-feira as conclusões relativas à equidade e à inclusão na educação, com o objetivo de “promover o sucesso educativo de todos os estudantes”.

Publicado por:

Acção socialista

Ação Socialista

Órgão Nacional de Imprensa

O “Ação Socialista” é o jornal oficial do Partido Socialista, cujo(a) diretor(a) responde perante a Comissão Nacional. Foi criado em 30 de novembro...

Ver mais

“Sabemos que o contexto socioeconómico dos nossos cidadãos continua a ser um fator preponderante, relevante, nos resultados escolares, dificultando muitas vezes a aquisição de competências e limitando também a mobilidade social. Com esta consciência, o Conselho aprovou as conclusões sobre a equidade, sobre a inclusão na educação, a fim de podermos promover o sucesso educativo para todos os nossos estudantes”, destacou o ministro português da tutela, Tiago Brandão Rodrigues, na conferência de imprensa após a primeira sessão do Conselho de Educação, Juventude, Cultura e Desporto, que decorre em Bruxelas.

Sublinhando que a “equidade e a inclusão” são “princípios básicos que os sistemas educativos tendem e tentam alcançar”, Tiago Brandão Rodrigues reconheceu que esses dois aspetos “continuam a ser um enorme desafio” para os sistemas educativos europeus.

“Os nossos sistemas de educação e de formação, que têm de ser necessariamente inclusivos, têm um papel fundamental a desempenhar para aumentar o aproveitamento escolar, para aumentar os níveis de competências dos nossos cidadãos”, frisou.

“Precisamos de fazer mais para identificar as medidas de políticas públicas que possam melhorar este sucesso educativo de todos os nossos alunos”, concretizou o governante.

Nesta reunião, os ministros europeus responsáveis pelas pastas da Educação e do Ensino Superior adotaram ainda conclusões relativas à iniciativa Universidades Europeias, que visa criar alianças entre estabelecimentos de ensino para fazer com que estudantes, docentes e investigadores possam “deslocar-se livremente entre instituições parceiras para treinar, ensinar e investigar”.

Também presente na conferência de imprensa, o ministro português da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, abordou as conclusões relativas a esta iniciativa para sublinhar que a “Europa e o mundo estão a viver tempos sem precedentes” e que as universidades têm um papel importante a desempenhar.

“O papel da educação e da formação e, em particular, do ensino superior, é o de transformar as nossas sociedades. E irão transformar cada vez mais as nossas sociedades, nomeadamente em articulação estreita com a investigação e a inovação, e é essa triangulação que se tornou na questão central para o desenvolvimento de alianças entre universidades de ensino superior”, realçou.

ARTIGOS RELACIONADOS