home

Novo programa de investimento disponibiliza 375 ME para mais 15 mil camas de alojamento estudantil

Novo programa de investimento disponibiliza 375 ME para mais 15 mil camas de alojamento estudantil

O Governo vai avançar, até junho de 2026, com um investimento de 375 milhões de euros ao abrigo do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) para a construção, reabilitação e renovação de residências estudantis, contribuindo assim para aumentar em mais 15 mil o número de camas disponíveis.

Publicado por:

Acção socialista

Ação Socialista

Órgão Nacional de Imprensa

O “Ação Socialista” é o jornal oficial do Partido Socialista, cujo(a) diretor(a) responde perante a Comissão Nacional. Foi criado em 30 de novembro...

Ver mais

Notícia publicada por:

Residências estudantis

Segundo dados disponibilizados pelo índice de preços do alojamento estudantil em Portugal, cujo relatório data do passado dia 1 de setembro, existem em todo o país cerca de 9.600 quartos disponíveis com um preço médio nacional de 267 euros, verba que segundo refere o relatório do Observatório do Alojamento Estudantil, significa uma redução, sobretudo na zona de Lisboa e na Madeira, em cerca de 1,4% em relação ao preço médio face ao início do ano.

Um assunto que mereceu já a publicação, por parte do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES), de um comunicado onde se refere que o novo programa de financiamento do alojamento estudantil vai ser apresentado e discutido em Lisboa na próxima segunda-feira, numa sessão que decorrerá no Laboratório Nacional de Engenharia Civil, e no dia seguinte no Porto, nas instalações da Agência Nacional de Inovação, lembrando o Governo que o objetivo deste novo financiamento “é alargar a oferta atual do alojamento estudantil em mais 15 mil camas a preços acessíveis” e disponibilizadas, como acrescenta, “através de residências para estudantes do ensino superior”, ao abrigo do Plano Nacional para o Alojamento no Ensino Superior.

Também a página da agência ERASMUS+, responsável pela gestão e monitorização do plano nacional de alojamento, refere que no âmbito deste plano “poderá ser atribuído um montante máximo de 27.500 euros por cama para a construção, reabilitação e equipamento de novos alojamentos”, enquanto que para a requalificação e modernização de alojamentos existentes, o montante a disponibilizar deverá rondar, no máximo, os 8.500 euros por cama.

Entretanto, foi publicado na passada sexta-feira, em Diário da República, um aviso destinado aos promotores e às empresas de construção que estejam interessadas em apresentar as suas propostas, para que o façam até ao dia 28 deste mês de fevereiro, sujeitando-se posteriormente à avaliação do Ministério da Ciência e Ensino Superior que irá analisar, proposta a proposta, segundo critérios que passam pela “inovação na construção e pela capacidade de execução até março de 2026”.

Neste comunicado, o MCTES justifica também qual o objetivo de realizar duas sessões para discussão e apresentação do programa de financiamento para o alojamento estudantil, em Lisboa e no Porto, referindo tratar-se de uma forma de “estimular o debate entre promotores e empresas de construção” que de algum modo pretendam estar envolvidas no projeto de residências estudantis, lembrando que nas sessões de apresentação do programa estão incluídos também “debates sobre inovação e qualidade na construção de residências estudantis”.

ARTIGOS RELACIONADOS