home

PS quer pacto social promotor de uma “educação de qualidade para todos”

PS quer pacto social promotor de uma “educação de qualidade para todos”

O dirigente socialista Porfírio Silva afirmou, esta quarta-feira, que o programa do PS para as legislativas tem como prioridade a “construção de um pacto social para a educação”, sob o lema “uma educação de qualidade para todos”.

Publicado por:

Acção socialista

Ação Socialista

Órgão Nacional de Imprensa

O “Ação Socialista” é o jornal oficial do Partido Socialista, cujo(a) diretor(a) responde perante a Comissão Nacional. Foi criado em 30 de novembro...

Ver mais
Porfírio Silva

Intervindo na webinar promovida pela Federação Nacional da Educação (FNE), para debater as propostas dos diferentes partidos para a próxima legislatura, Porfírio Silva acentuou, em particular, a proposta do PS para alterar alterar o regime de recrutamento de professores, sublinhando que essa mudança deve garantir a estabilidade nas escolas e “a estabilidade para os profissionais”.

O deputado e candidato socialista destacou ainda, entre as medidas propostas pelo PS, a redução das áreas geográfica dos Quadros de Zona Pedagógica (QZP), a par do reforço da autonomia das escolas.

“Além da autonomia curricular, é preciso começar com projetos piloto para trabalhar aspetos de autonomia financeira e administrativa”, completou o também diretor do Gabinete de Estudos do PS.

Idêntica iniciativa foi também promovida pela Fenprof, contando com a participação do deputado socialista Tiago Estêvão Martins, tendo realçado que “o país precisa de uma dinâmica de continuidade e estabilidade das políticas de educação”.

Reiterando o compromisso do PS para com a defesa da escola pública, o socialista lembrou a diminuição do abandono escolar e da taxa de retenção e desistência, assim como o aumento de 14% das conclusões do secundário em três anos, a par da presença do maior número de alunos no ensino superior.

Tiago Estêvão Martins apontou ainda algumas das medidas inscritas no programa do PS, como o projeto de autonomia administrativa e financeira das escolas, a descentralização, a desburocratização e o reforço da participação dos alunos.

ARTIGOS RELACIONADOS