home

Governo apoia mais estudantes do Ensino Superior

Governo apoia mais estudantes do Ensino Superior

Bolsas de estudo do ensino superior aumentaram 4%, beneficiando cerca de 75 mil estudantes. O número de alunos carenciados apoiados pelo programa + Superior cresceu 18% e atinge o maior número de sempre.

Publicado por:

Acção socialista

Ação Socialista

Órgão Nacional de Imprensa

O “Ação Socialista” é o jornal oficial do Partido Socialista, cujo(a) diretor(a) responde perante a Comissão Nacional. Foi criado em 30 de novembro...

Ver mais

Notícia publicada por:

O número de estudantes de universidades e politécnicos que beneficiam de bolsas da ação social registou um aumento de 4%, face a 2020, abrangendo 74.809 alunos, o que significa que o apoio abrangeu, até 9 de março, mais cerca de 2.600 alunos, revelou esta segunda-feira a Direção-Geral do Ensino Superior (DGES), através de um comunicado.

No âmbito do programa +Superior, que visa apoiar estudantes economicamente carenciados que residem habitualmente noutras regiões, foram contratualizadas 5.225 bolsas, até 9 de março, o que representa o maior número de bolseiros desde que o programa foi lançado.

A DGES revela, ainda, que foram atribuídos 24 auxílios de emergência a alunos durante o atual ano letivo, no âmbito das medidas de minimização dos efeitos da pandemia.

Até ao final de março, a DGES efetuou o pagamento de 73.185 bolsas, o que representa um aumento de 8% face ao mês homologo do ano anterior.

O mesmo organismo avança ainda que foram pagas 1.025 bolsas de frequência destinadas a estudantes do ensino superior com necessidades educativas especiais, que apresentem incapacidade igual ou superior a 60%.

No total, foram atribuídas 81.059 bolsas a estudantes do Ensino Superior, o que representa o maior número de sempre.

“Considerando que a atual crise pandémica veio aprofundar dificuldades de ordem social, pedagógica e de saúde existentes, especialmente na comunidade estudantil, o MCTES [Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior] recomendou que as instituições de ensino superior desenvolvam programas próprios de mitigação e compensação dos efeitos da Covid-19 nos seus estudantes”, pode ler-se no comunicado.

O Ministério de Manuel Heitor adverte, ainda, que as atividades letivas à distância e a retoma das atividades presenciais previstas para o próximo dia 19 de abril “devem ser acompanhadas por uma particular atenção aos estudantes, devendo ser garantido, sempre que necessário, o apoio psicológico e o acompanhamento do estado da saúde mental da comunidade académica, em estreita articulação com as associações e federações de estudantes”.

 

66 mil testes rápidos no Ensino Superior

No sentido de garantir que o regresso às atividades letivas decorre com segurança, as instituições científicas e de ensino superior receberam 66 mil ‘kits’ de testes rápidos de antigénio para detetar o novo coronavírus que provoca a doença Covid-19.

O rastreio à comunidade educativa foi começou pela testagem aos docentes e trabalhadores não docentes, estando previsto que, na próxima semana, seja iniciada a testagem aos estudantes.

“O “Programa de testagem CVP – Ensino Superior” obteve uma adesão significativa por parte das instituições de ensino superior que iniciam já esta semana o rastreio à covid-19 junto dos docentes e não docentes, avançando depois a testagem aos estudantes no dia 19 deste mês”, disse o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES), Manuel Heitor.

As instituições de ensino, públicas e privadas, até à ultima quinta-feira já receberam gratuitamente 66 mil ‘kits’ de testes rápidos de antigénio oferecidos pela Cruz Vermelha Portuguesa (CVP).

Os testes estão disponíveis a todas as instituições de ensino superior poderão continuar a receber semanalmente os ‘kits’ de testagem, bastando para isso solicitar à tutela.

Cerca de metade das instituições públicas (17 das 36) e cerca de um terço das instituições privadas (25 das 73) já informaram o MCTES que têm recursos humanos e materiais próprios para a realização dos testes.

“As restantes instituições científicas e de ensino superior vão ter apoio da CVP para a realização (na totalidade ou em parte) do rastreio à SARS-CoV-2 em estudantes, docentes, investigadores e colaboradores que desenvolvam a sua atividade presencialmente”, afirma o Ministério do Ensino Superior.

O “Programa de testagem CVP – Ensino Superior” prevê, também, a realização de ações de formação de recursos humanos das instituições de ensino, através da CVP, por forma a garantir que os testes são devidamente realizados e promover a realização massiva do rastreio.

A Direção-Geral de Ensino Superior disponibiliza no seu site o mapa onde é possível conhecer os pontos de testagem em cada instituição.

ARTIGOS RELACIONADOS