home

Candidaturas do PS nos Açores existem para servir as comunidades e não os interesses partidários regionais

Candidaturas do PS nos Açores existem para servir as comunidades e não os interesses partidários regionais

“O critério e a medida das candidaturas autárquicas do Partido Socialista são os interesses das comunidades que elas visam servir”, assegura o presidente do PS/Açores, Vasco Cordeiro, salientando, por outro lado, que nas candidaturas dos partidos da coligação o interesse é o de “procurar uma legitimidade do voto que não tem” e o de “transpor para a realidade autárquica aquilo que já acontece a nível regional”.

Publicado por:

Acção socialista

Ação Socialista

Órgão Nacional de Imprensa

O “Ação Socialista” é o jornal oficial do Partido Socialista, cujo(a) diretor(a) responde perante a Comissão Nacional. Foi criado em 30 de novembro...

Ver mais
Vasco Cordeiro, Açores

Salientando a importância das eleições autárquicas, Vasco Cordeiro considerou que face àquele que é o desgoverno da governação regional, os açorianos “olham para os municípios e para as freguesias como uma das poucas instituições que lhes pode valer, traçando uma política segura, coerente, que não tenha de estar sujeita aos humores e aos interesses dos partidos que as compõem”.

Mas para o socialista, que intervinha na apresentação da candidatura autárquica do PS à Câmara Municipal de Vila do Porto, estamos atualmente confrontados com uma situação que se caracteriza, desde logo, pelo descalabro na governação regional, em que “a instabilidade que durante alguns meses foi latente, está agora à vista de todos”, não sendo esta, na sua opinião, a forma de “governar uma Região e de dar segurança aos açorianos, à economia e à capacidade que nós temos de ultrapassar esta situação”.

Referindo, por outro lado, o assalto que se observa à administração regional, crescendo, a cada dia, os cargos de nomeação política, Vasco Cordeiro sublinhou que o atual momentosa Região é ainda caracterizado pelo sentimento de impunidade deste governo, dando um mau exemplo para “a Autonomia e para a Democracia”.

“Ainda recentemente um dos partidos que apoia, e que é essencial para garantir a maioria do governo regional, dividiu-se, e acham normal que se receba o líder desse partido de extrema-direita no Palácio de Santana, dando cobertura institucional àquilo que é um assunto claramente de foro partidário”, repudiou o líder socialista regional.

Ainda na ocasião, e apresentando aos marienses um projeto autárquico cujas qualidades comprovam Bárbara Chaves “não só como a melhor candidata a presidente da Câmara Municipal, como, seguramente, uma das melhores presidentes de Câmara Municipal dos Açores”, Vasco Cordeiro assegurou que a candidata tem “o conhecimento, a experiência, a visão de futuro, a capacidade de liderança e a ambição para Santa Maria, não só para colocar o concelho e a ilha num outro patamar de desenvolvimento, mas, sobretudo, para fazê-lo com uma liderança segura, com um rumo certo e firme, e com um sentido de serviço à ilha que é característico dela”.

Assim, reforçou, Vasco Cordeiro, para as eleições autárquicas de 26 de setembro, o PS apresenta uma equipa e uma liderança com visão de futuro, para que “possa trilhar um caminho cada vez mais de desenvolvimento, de progresso, galgando etapas em termos daquilo que é a qualificação, a criação de riqueza e a criação de emprego”.

ARTIGOS RELACIONADOS