home

UE aprova terceiro pacote de sanções à Rússia e apoios à Ucrânia

UE aprova terceiro pacote de sanções à Rússia e apoios à Ucrânia

Os ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia aprovaram um novo pacote de sanções à Federação Russa, que o chefe da diplomacia portuguesa, Augusto Santos Silva, classificou de “poderoso”, a par de um conjunto “inédito” de apoios à Ucrânia.

Publicado por:

Acção socialista

Ação Socialista

Órgão Nacional de Imprensa

O “Ação Socialista” é o jornal oficial do Partido Socialista, cujo(a) diretor(a) responde perante a Comissão Nacional. Foi criado em 30 de novembro...

Ver mais
Augusto Santos Silva, União Europeia

As medidas foram anunciadas por Augusto Santos Silva, após uma reunião informal por videoconferência com os homólogos europeus, destacando-se, no âmbito das sanções económicas à Rússia, a interdição de qualquer transação financeira a partir da União Europeia com o banco central russo, e a interdição do uso do sistema Swift (de ligação de cerca de 11 mil bancos e entidades financeiras mundiais) por setores importantes daquele país.

Na área do isolamento internacional da Rússia, decidiu-se “uma ação coordenada entre todos os Estados-membros no sentido de não autorizar quaisquer movimentos de companhias áreas russas no espaço aéreo europeu”, disse Santos Silva, referindo que Portugal já comunicou o fecho do seu espaço aéreo às companhias russas.

“As medidas relativas às interdições de transações com o banco central da Rússia, do afastamento da Rússia do sistema Swift e do banimento dos voos no espaço aéreo europeu são medidas que têm efeito imediato, com implementação nas próximas horas ou dias”, salientou.

Decisões inéditas de apoio

Por outro lado, o ministro dos Negócios Estrangeiros classificou como “muito importante” a decisão política de autorizar, pela primeira vez, que o mecanismo europeu para a paz financie a aquisição e fornecimento à Ucrânia de equipamento letal no valor de 450 milhões de euros e de equipamento não letal no valor de 50 milhões de euros.

Uma outra medida sem precedentes, acrescentou, refere-se à interdição de atividades de difusão de órgãos de comunicação social “que fazem parte do aparelho de propaganda e desinformação da Rússia”.

“Todas estas situações são tomadas em reação à agressão russa à Ucrânia e, portanto, esperemos que haja uma evolução positiva no que diz respeito à situação no terreno, isto é, que a Rússia compreenda que não pode continuar a invadir o território ucraniano e a desencadear uma guerra contra a Ucrânia porque o preço que paga por isso é muito elevado”, apontou Santos Silva.

Portugal contribuirá com 8 a 10 ME para reforçar defesa da Ucrânia

Por sua vez, o ministro da Defesa Nacional precisou que o contributo de Portugal para o pacote europeu de auxílio militar às forças armadas ucranianas será de entre 8 a 10 milhões de euros.

Para além do apoio no quadro do Mecanismo Europeu de Apoio à Paz, Portugal vai enviar também equipamento militar para a Ucrânia, a pedido das autoridades deste país.

Falando após uma reunião por videoconferência dos Ministros da Defesa da UE, João Gomes Cravinho sublinhou a “grande convergência” entre os parceiros europeus, bem como “um reconhecimento generalizado de que essa convergência é fundamental como um trunfo” da posição da União Europeia, destacando ainda o consenso de que o documento europeu de Defesa, denominado Bússola Estratégica, e que “está para ser aprovado em março”, deve refletir “os ajustamentos necessários” a esta “nova realidade geopolítica”.

“Creio que todos demonstraram grande consciência de que o mundo mudou no dia 24 de fevereiro, o ambiente estratégico no qual vivemos mudou muito significativamente”, sustentou.

O ministro referiu também que o diálogo entre a UE e a NATO “tem sido muito intenso” e que ambas as organizações “estão a ter um papel fundamental e complementar” na resposta à Rússia. “Nenhuma delas poderia sozinha traduzir o impacto e o peso da resposta europeia e ocidental sem a outra, a UE com toda a força das sanções e a NATO com as garantias militares que oferece”, completou.

Observando, ainda, que Putin e o regime russo, que disse representarem “não só um desafio, como um ataque frontal à arquitetura de segurança na Europa”, terão “subestimado” a capacidade de união e a postura de “grande firmeza” da UE face ao conflito na Ucrânia, João Gomes Cravinho apontou também que será preciso, “a prazo”, repensar o relacionamento bilateral.

“Depois de Putin, a Rússia continuará e interessa-nos, enquanto UE, desenvolver um entendimento e um compromisso mútuo em relação à segurança de todos”, sublinhou.

ARTIGOS RELACIONADOS