home

PS aposta no reforço da confiança dos eleitores na Europa para dar voz e poder às comunidades

PS aposta no reforço da confiança dos eleitores na Europa para dar voz e poder às comunidades

O candidato socialista pelo círculo da Europa às eleições legislativas, Paulo Pisco, e o Secretário-geral adjunto do PS, José Luís Carneiro, convergiram na ideia de que é “fundamental” recuperar a confiança dos portugueses votantes no estrangeiro para “dar voz e poder às comunidades”, na repetição do ato eleitoral nos próximos dias 12 e 13 de março.

Publicado por:

Acção socialista

Ação Socialista

Órgão Nacional de Imprensa

O “Ação Socialista” é o jornal oficial do Partido Socialista, cujo(a) diretor(a) responde perante a Comissão Nacional. Foi criado em 30 de novembro...

Ver mais
José Luís Carneiro e Paulo Pisco

“É importante falar aos que pensam abster-se” e “incentivá-los a votar, porque é o seu voto que dá voz e poder às comunidades”, afirmou Paulo Pisco, num encontro com a comunidade portuguesa em Londres, onde esteve acompanhado por José Luís Carneiro e pelo deputado socialista eleito por Viseu, João Azevedo.

Numa ação de campanha que levou o cabeça de lista do PS pela Europa a um périplo junto das comunidades lusófonas na capital do Reino Unido, em Paris e no Luxemburgo, Paulo Pisco assumiu, também, o compromisso de alteração da lei eleitoral para que não volte a acontecer o sucedido no apuramento do voto por correspondência, originando, no seguimento de uma iniciativa do PSD, que mais de 157 mil votos de portugueses residentes no estrangeiro tivessem sido anulados.

“É absolutamente fundamental recuperar a confiança dos nossos compatriotas, desde logo assumindo, de forma clara, o compromisso de alterar a lei eleitoral, para que uma situação como a que ocorreu nunca mais volte a acontecer”, afirmou.

Já em Paris, onde José Luís Carneiro e Paulo Pisco mantiveram também um encontro muito participado com a comunidade portuguesa, o Secretário-geral adjunto do PS foi claro na identificação de quem tudo fez para que a participação dos eleitores residentes fora de Portugal não tivesse o respeito que merecia.

“Há um partido que tem especiais responsabilidades na anulação dos votos de 157 mil portugueses. O partido que tem especial responsabilidade foi o partido que pediu para que esses votos fossem anulados”, lembrou, numa crítica ao PSD que foi partilhada pelo candidato do PS, Paulo Pisco.

“Este episódio que se passou, com a anulação dos votos no círculo eleitoral da Europa, é a primeira vez que acontece na história da nossa democracia e acontece por razões que do ponto de vista político são as mais mesquinhas que um líder político alguma vez poderia ter”, afirmou o cabeça de lista socialista.

José Luís Carneiro lembrou, a propósito, que “o PS esteve naquela que é a maior alteração no reconhecimento dos direitos políticos aos portugueses na emigração, o recenseamento automático”.

“Com isso trouxemos para o universo democrático mais de um milhão e cem mil portugueses. Daí que em 2015 tenham votado 28 mil portugueses e desta vez votaram mais de 250 mil”, concretizou.

Continuar a promover a modernização dos serviços consulares

Ainda na iniciativa em Londres, José Luís Carneiro assumiu, igualmente, o compromisso do PS em continuar a promover a modernização dos serviços consulares para melhorar o atendimento aos portugueses residentes no estrangeiro.

Sublinhando que, também nesta matéria, o PS e António Costa têm “provas dadas” de “confiança”, o ‘número dois’ da direção socialista lembrou os “esforços empreendidos pelo Governo português no decurso do Brexit, quer para reforçar os meios humanos quer para modernizar a infraestrutura técnica e tecnológica dos consulados de Londres e Manchester”, e facilitando aos portugueses a obtenção do estatuto de residente no Reino Unido nos postos e por telefone, através do centro de atendimento criado em Lisboa.

Para o próximo mandato, José Luís Carneiro assumiu o compromisso de prosseguir este caminho de modernização dos serviços consulares, “tendo em vista agilizar procedimentos administrativos” e “garantindo maior proximidade na relação dos emigrantes com o Estado português e com a administração pública portuguesa”.

ARTIGOS RELACIONADOS