home

Os portugueses têm uma escolha “muito clara” a fazer sobre o futuro do país

Os portugueses têm uma escolha “muito clara” a fazer sobre o futuro do país

O primeiro-ministro e Secretário-geral do PS, António Costa, afirmou ontem que os portugueses têm uma escolha “muito clara” para fazer, nas eleições legislativas de 30 de janeiro, sobre quem querem para liderar o país nos próximos anos, garantindo um Governo do PS “reforçado” e “focado” no que é prioritário para Portugal.

Publicado por:

Acção socialista

Ação Socialista

Órgão Nacional de Imprensa

O “Ação Socialista” é o jornal oficial do Partido Socialista, cujo(a) diretor(a) responde perante a Comissão Nacional. Foi criado em 30 de novembro...

Ver mais
António Costa

António Costa falava aos jornalistas à chegada ao Teatro Nacional D.Maria II, em Lisboa, onde participou na homenagem à atriz Eunice Muñoz, referindo que a escolha que os portugueses têm a fazer fica agora mais clara, depois de resolvida a disputa interna no principal partido da oposição.

“Tive ontem [sábado] a oportunidade de felicitar pessoalmente o Dr. Rui Rio, que vai ter pela frente uma tarefa muito difícil de procurar unir um partido que ficou dividido praticamente ao meio e de afirmar uma solução credível num contexto em que os principais quadros do partido se opuseram aquilo que ele defende”, observou o líder socialista, acrescentando que os portugueses têm, a partir de agora, “uma escolha muito clara para fazer”.

Reiterando que, “para a vitalidade da democracia, é muito bom que existam estas escolhas muito claras”, António Costa referiu que cabe aos portugueses decidirem, nas eleições legislativas antecipadas de 30 de janeiro, “quem querem para liderar o país nos próximos anos”.

“Ou um governo liderado por mim, com um PS renovado e reforçado, ou têm uma alternativa que o Dr. Rui Rio tentará compor, unindo o seu partido com todos os outros partidos à direita, e essa é uma escolha clara”, considerou.

Sublinhando que estarão em causa duas opções políticas claramente distintas, António Costa garantiu que a sua “missão” é continuar “100% focado naquilo que é prioritário”: “unir os portugueses no controlo da pandemia” e “mobilizar o país” para sair desta crise “mais forte” e também “mais próspero e mais solidário”.

“Aquilo em que verdadeiramente penso é como é que vamos conseguir superar o recorde que ainda ontem estabelecemos de 90 mil doses de vacinas que foram administradas, como é que vamos fazer para acelerar este esforço de vacinação para proteger o mais rapidamente possível o maior número possível de portugueses. Isso é que o me dá energia e isso é que me entusiasma, é resolver problemas, essa é a minha missão”, vincou.

Nova variante preocupa e terá de Portugal as medidas adequadas

O primeiro-ministro manifestou ainda a sua preocupação, que se estende ao “mundo inteiro”, com a mais recente variante do novo coronavírus, detetada na África do Sul, assegurando que Portugal tomará “as medidas adequadas”.

“A União Europeia adotou um conjunto de medidas para restrição de viagens de um conjunto de países” e, em Portugal, a partir desta semana, “passa a ser obrigatória a testagem em todos os voos provenientes de onde quer que seja”, acrescentando António Costa que, “neste momento” já estão a ser testados os passageiros de “todos os voos provenientes da África Austral”.

O líder do Governo adiantou ainda, sobre os voos de repatriamento para portugueses, que “o Ministério do Negócios Estrangeiros está a organizar, como lhe compete, o conjunto de medidas que são necessárias para apoiar os nossos compatriotas que, surpreendidos com o aparecimento desta variante, estão retidos em diversos pontos do mundo”.

Lembrando que “logo na primeira vaga” foi necessário “repatriar todos os portugueses que estavam em Wuhan”, a cidade chinesa onde foram registados os primeiros casos de Covid-19, António Costa sublinhou que essa foi uma operação “de grande sucesso”.

ARTIGOS RELACIONADOS