home

António Costa homenageia primeiros autarcas socialistas e elogia o Poder Local como “escola de democracia”

António Costa homenageia primeiros autarcas socialistas e elogia o Poder Local como “escola de democracia”

O Secretário-geral do PS, António Costa, homenageou ontem, por ocasião do 48º aniversário do partido, os primeiros 115 autarcas socialistas eleitos em 1976, enaltecendo o poder local como uma “enorme escola de democracia”.

Publicado por:

Acção socialista

Ação Socialista

Órgão Nacional de Imprensa

O “Ação Socialista” é o jornal oficial do Partido Socialista, cujo(a) diretor(a) responde perante a Comissão Nacional. Foi criado em 30 de novembro...

Ver mais

Numa sessão comemorativa dos 48 anos da fundação do PS, que decorreu a partir do Teatro Capitólio, em Lisboa, e que foi transmitida pelas redes sociais do partido, António Costa evocou os membros fundadores de 1973, no congresso realizado na cidade alemã de Bad Münstereifel, assim como todos os líderes do Partido Socialista, desde Mário Soares, para sublinhar que “o PS é muito mais do que as lideranças circunstanciais” que em cada momento fazem a sua vida política.

Para António Costa, a vida do PS “é feita diariamente não pelos seus secretários-gerais, mas pelos milhares de militantes, centenas dos seus autarcas, dezenas de governantes, centenas de deputados da Assembleia da República e das assembleias regionais”.

A história do PS e o legado da experiência autárquica socialista ao longo dos últimos 45 anos, foram o mote para António Costa homenagear os 115 presidentes de câmara eleitos pelo partido nas primeiras eleições autárquicas em democracia, em 1976, alguns dos quais estiveram presentes, entre eles Rui Nabeiro e Fernando Gomes, lembrando o trabalho que fizeram, por exemplo, a levar a luz ou a água a aldeias de um país que estava a sair de 48 anos de ditadura.

O chefe do Governo socialista, que também foi autarca em Lisboa durante oito anos, elogiou as autarquias como uma “enorme escola de democracia” e de serviço às populações, sublinhando as exigências do poder local.

“Quanto mais próximo é o poder, mais próxima é a fiscalização do poder”, disse, acrescentando que é por isso que “os cidadãos têm uma enorme confiança nos autarcas”, dando como exemplo desse trabalho de proximidade o papel inestimável que têm desempenhado no “combate” e na resposta à epidemia de Covid-19, assim como na implementação do plano de vacinação em curso.

Na cerimónia, onde foram apresentadas as conclusões preliminares do estudo que está a ser elaborado pelo ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa, de levantamento do património político construído pelo PS em torno do poder local desde 1976, foi também evocada a memória de Jorge Coelho, com uma homenagem focando alguns dos principais momentos da sua vida política.

ARTIGOS RELACIONADOS