home

António Costa apela a grande mobilização do PS para ganhar Setúbal e consolidar a presença autárquica no distrito

António Costa apela a grande mobilização do PS para ganhar Setúbal e consolidar a presença autárquica no distrito

O Secretário-geral do PS defendeu ontem, em Setúbal, que o concelho e a região têm de aproveitar os enormes recursos de que dispõem, no seu potencial turístico, industrial e de serviços de qualidade, para ter “os olhos postos no futuro”. Na apresentação da Comissão de Honra da candidatura de Fernando José à presidência da autarquia, e da líder parlamentar, Ana Catarina Mendes, à Assembleia Municipal, António Costa apelou à forte mobilização do PS para reconquistar a Câmara de Setúbal e consolidar a sua presença no poder local do distrito.

Publicado por:

Acção socialista

Ação Socialista

Órgão Nacional de Imprensa

O “Ação Socialista” é o jornal oficial do Partido Socialista, cujo(a) diretor(a) responde perante a Comissão Nacional. Foi criado em 30 de novembro...

Ver mais
António Costa, Setúbal
Fernando José, Setúbal

“Setúbal tem de voltar a ser uma região fortemente industrializada, com as indústrias do futuro. Tem que ser uma região que cada vez tem serviços de mais e melhor qualidade na área da logística, tem que ser e aproveitar todo o seu potencial turístico, que este extraordinário estuário do Sado oferece, as maravilhosas praias que o permitem, e esta linda Serra da Arrábida a todos nos convida para poder aproveitar”, afirmou o líder socialista, intervindo numa ação de apoio à candidatura de Fernando José à presidência da autarquia de Setúbal, na emblemática Avenida Luísa Todi.

“É na combinação e valorização de todos estes recursos que Setúbal pode efetivamente ter os olhos postos no futuro”, acrescentou António Costa, apelando a uma forte mobilização dos socialistas até ao próximo 26 para voltar a ganhar a presidência da capital de distrito e consolidar as conquistas autárquicas na Península de Setúbal.

“Ainda há quatro anos poucos acreditavam que o PS ganhava no Barreiro e o PS ganhou no Barreiro. Poucos acreditavam que o PS ganhava em Almada e o PS ganhou em Almada. E este ano vamos voltar a ganhar no Montijo, vamos voltar a ganhar em Alcochete, vamos voltar a ganhar no Barreiro e vamos voltar a ganhar em Almada”. E vamos também ganhar de novo em Setúbal”, afirmou, convicto.

Na sua intervenção, o líder socialista e primeiro-ministro reiterou que o próximo mandato autárquico “vai ser um mandato autárquico muito especial”, devido à plena concretização da transferência de competências para os municípios, em matérias tão fundamentais como a educação, a saúde e a ação social, a par do papel de “parceiros essenciais” que os autarcas vão desempenhar na execução do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) do país.

“Com esta transferência de competências, os municípios portugueses vão passar a receber mais mil milhões de euros por ano, transferidos do Orçamento do Estado para Orçamento dos municípios, para poderem prestar melhores serviços de educação, melhor serviço de saúde, melhor ação social aos seus habitantes”, sublinhou. Os autarcas vão ser, também, “parceiros absolutamente essenciais para a execução do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR)”, lembrando António Costa que, ao contrário do que aconteceu anteriormente, por estarem integrados na Área Metropolitana de Lisboa, para este novo ciclo de fundos comunitários os concelhos da Península de Setúbal vão beneficiar das mesmas regras que todos os outros municípios, em circunstância de igualdade.

Um duplo desafio que vai exigir que, das eleições de 26 de setembro, saia novo ciclo de poder local capacitado e focado num desígnio que é também nacional e para o qual os autarcas e candidatos socialistas têm provas dadas.

António Costa destacou ainda, na sua intervenção em Setúbal, as “duas metas” já anunciadas pelo Governo para o setor da habitação. Uma para garantir “uma rede de oferta pública de arrendamento acessível, para a classe média, e em particular para as novas gerações”, e outra para assegurar “habitação condigna a todas as famílias que ainda não dispõem de habitação condigna”, lembrando, a este propósito, que o PRR tem um total de 2.750 milhões de euros dedicados a este investimento.

ARTIGOS RELACIONADOS