home

Tecnologia constitui desafio para equilíbrio entre vida pessoal e profissional

Tecnologia constitui desafio para equilíbrio entre vida pessoal e profissional

A evolução que a tecnologia tem sofrido, e o uso difundido destes meios, assume hoje um caráter e um “desafio” que confrontam o equilíbrio entre a vida profissional e a pessoal, garantiu a ministra da Presidência e da Modernização Administrativa, sustentando que, de futuro, o fator trabalho vai ser mais flexível.

Notícia publicada por:

Inovação Social já apoiou 232 projetos com 28 milhões de euros

Intervindo no final de um encontro promovido pelo Parlamento, no Centro de Acolhimento ao Cidadão da Assembleia da República, denominado “Café da Igualdade”, a ministra Maria Manuel Leitão Marques, depois de alertar para o facto de a tecnologia constituir hoje “um desafio” para a conciliação entre a vida profissional e a vida pessoal, reafirmou o que vem defendendo desde há algum tempo: que futuramente é preciso encontrar novos caminhos e soluções para que o trabalho possa ser cada vez mais flexível, alegando que, ao contrário do que inicialmente se poderia pensar, o recurso sistemático e permanente à tecnologia tem “prolongado o tempo de trabalho”.

É por isso necessário, como defendeu, encarar o fenómeno tecnológico como “um desafio” e equacioná-lo no equilíbrio entre o tempo de trabalho e a vida pessoal e familiar, realçando, a este propósito, que, mais do que “decidir por lei”, a solução para toda esta problemática deve passar, em primeiro lugar, por “experimentar” quais as melhores soluções que se podem adaptar ao desafio que está colocado às pessoas e às empresas.

Para Maria Manuel Leitão Marques, o problema pode e deve ser ultrapassado com “mais criatividade” da parte de todos, sustentando que, desta forma, os resultados poderão surgir “mais interessantes” designadamente em relação à produtividade.

A ministra reforçou ainda a ideia de que os desafios que estão colocados, quer pela tecnologia, quer pelas “novas organizações de trabalho”, daí decorrentes, deverão ser enfrentados através do “aumento do princípio do equilíbrio” entre a vida profissional, familiar e pessoal, e não apenas “aumentando a produtividade laboral”.