home

Podcasts

“As prioridades do país têm que estar focadas na redução das desigualdades, na transição digital e na inovação “

 

O secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros é um cargo que empurra, inevitavelmente, o seu titular para um trabalho de gabinete e pouco visível. No entanto, durante este mês de março, André Moz Caldas teve de conciliar a preparação dos Conselhos de Ministros com uma volta ao país. Isto porque o Governo tem de apresentar até ao Verão o relatório Voluntário Nacional sobre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU, que o Governo decidiu que tinha de dar voz ao país. O périplo vai ajudar a definir as prioridades para os próximos anos e permitiu fazer um balanço do que já se conseguiu – como o alinhamento do Programa Nacional de Reformas ou das Grandes Opções aos ODS. E André Moz Caldas assegura que até mesmo a mudança do Governo para o edifício-sede da CGD é um contributo para o desenvolvimento sustentável.

“O melhor instrumento para fazer política é a confiança e o trabalho em parceria”

 

A ministra da Habitação, Marina Gonçalves, explica a quem pretende que cheguem as medidas do pacote Mais Habitação e tenta desconstruir mitos gerados à volta da iniciativa e garante que quer fazer política num ambiente de confiança e em parceria com os agentes do setor.

 

“Até 2030, queremos duplicar as 2 mil startup ligadas ao mar”

 

O Secretário de Estado do Mar, José Maria Costa, faz o balanço do que está a ser feito para duplicar o peso do Mar na economia portuguesa e potenciar a liderança de Portugal no conhecimento relacionado com os Oceanos. José Maria Costa assegura que Portugal está na liderança em muitas áreas, não só na concertação internacional em torno dos oceanos, mas na investigação e em novas áreas de negócio.

“A Lei da Paridade precisa de aprofundamento e a alternância de género será inevitável”

 

No arranque do mês de março, e após a Convenção das Mulheres Socialistas, a presidente Elza Pais faz o balanço de 7 anos de governação. Elenca os avanços conseguidos e aponta os objetivos a atingir no âmbito da Agenda 2030. E reconhece que “o desafio das políticas de igualdade, nesta fase, é construir novas mentalidades”.

“Os países europeus perceberam que a segurança europeia não pode organizar-se com a Rússia dentro”

Numa altura em que se assinala um ano após a invasão da Ucrânia pela Federação Rússa, o Política com Palavra convida o professor universitário, Nuno Severiano Teixeira, a avaliar as repercussões desta invasão nas políticas europeias e nacionais. O ex-ministro da Administração Interna e da Defesa antecipa um reordenamento da Ordem Internacional e um novo posicionamento europeu no quadro da Defesa. E ao mesmo tempo explica o que deveria mudar em Portugal, na forma como se pensa a Defesa Nacional.

“As pessoas quando votam num partido e se arrependem, abstêm-se”

Luís Paixão Martins foi uma das pessoas que, com a sua experiência e conhecimento em comunicação, ajudou o PS a vencer com maioria absoluta as últimas eleições legislativas. O Política com Palavra convidou-o para nos ajudar a perceber o perfil do eleitor português, como vota e o que o faz votar e os erros a evitar durante uma campanha eleitoral. No final duas palavras ressaltam: confiança e estabilidade.

“Não é possível termos em Portugal situações como as que aconteceram na Mouraria”

Diálogo, inclusão e acolhimento. Estas são as linhas mestras do discurso e das políticas que a ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares quer implementar. É o que justifica o apoio do Governo à Jornada Mundial da Juventude e é por isso que considera inadmissível o que aconteceu no incêndio que vitimou dois migrantes em Lisboa, que na sua opinião, resultou de se “querer ganhar dinheiro com a miséria das pessoas”. É também, por isso, que acusa o Chega de incitar “à violência”, e aos “gestos de ódio”, com o seu discurso de “nós e os outros”. E é ainda por isso que anunciou estar a estudar a criação do Cartão do Cidadão Estrangeiro.

“Nunca nos podemos cansar de cumprir”

António Mendonça Mendes assumiu recentemente o cargo de Secretário de Estado Adjunto do Primeiro-Ministro, depois de 5 anos nos executivos de António Costa. Acumula essa função com a liderança da Federação Distrital socialista de Setúbal. O Política com Palavra quis ouvi-lo, na semana em que se assinala o primeiro aniversário das últimas eleições legislativas, para recordar as razões dessa vitória e perceber o que se faz com ela. A resposta é clara: honrar a confiança dos eleitores, manter o foco no Programa Eleitoral e aproveitar ao máximo o PRR para implementar as reformas estruturais necessárias ao país.

“O protecionismo xenófobo leva ao desastre político e económico”

José Luis Rodriguez Zapatero passou por Lisboa para debater como enfrentar os extremismos. O ex-presidente de Governo de Espanha defende que a história é a melhor conselheira contra a extrema-direita. A Europa tem de olhar para o passado e perceber que o protecionismo e a desconfiança em relação a quem é diferente resultou sempre em desastre. E que foi mais forte quando promoveu a cooperação e o multilateralismo.

“MAI vai investir 607 milhões de euros em novos equipamentos para forças de segurança”

Depois de ter aproveitado os primeiros nove meses como ministro para arrumar a casa, José Luís Carneiro quer fazer de 2023 o ano em que disponibiliza às forças de segurança as condições para fazerem o seu trabalho: vai aplicar um orçamento que aumenta em cerca de 100 euros o vencimento de um novo agente, vai investir 40 milhões na construção e requalificação de habitações para agente e alargar a estes os equipamentos sociais – como refeitórios – de municípios e universidades. Mas como o mandato na Administração Interna não se limita às polícias, está já a trabalhar com as lições aprendidas nos fogos de 2022 e nas soluções para evitar os estragos das chuvas nas grandes cidades.