fbpx

Desempenho nacional no combate à pandemia é hoje uma referência para a Europa


Portugal é o país europeu “com melhores resultados na resposta à pandemia de covid-19”, garantiu esta manhã em Odemira, onde se deslocou para uma visita, o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita.

De acordo com o titular da pasta da Administração Interna, Portugal é visto hoje pela comunidade internacional “como uma referência” no combate à pandemia de Covid-19, graças não só “às medidas concretas adotadas pelo Governo desde janeiro”, que segundo o ministro Eduardo Cabrita “estão a fazer toda a diferença”, quer também “pelo muito trabalho e empenho de muita gente das áreas da saúde e da segurança interna”, e do “papel determinante” dos cidadãos.

Palavras que foram proferidas esta manhã pelo ministro da Administração Interna em conversa com o presidente da Câmara Municipal, num dos pontos de passagem da cerca sanitária montada em redor das freguesias de São Teotónio e Longueira-Almograve, no concelho de Odemira, lembrando Eduardo Cabrita que a boa imagem internacional de que Portugal hoje beneficia na luta contra a pandemia e os resultados que conseguiu obter resultam das “medidas concretas” implementadas no país pelo Governo desde janeiro que, no seu conjunto, “têm feito toda a diferença”.

Recorde-se que o Governo decidiu decretar, como anunciou na passada quinta-feira o primeiro-ministro, uma cerca sanitária em duas das 13 freguesias do município alentejano de Odemira, devido à incidência de casos de Covid-19, sobretudo entre trabalhadores agrícolas, muitos deles migrantes, um processo que está a ser seguido não só pela ‘task force’ do concelho, criada especialmente pelo Governo para “operacionalizar e implementar ações de controlo e prevenção da pandemia”, mas igualmente pela ministra da Agricultura, Maria do Céu Antunes.

Na passada quinta-feira, quando o Governo decidiu avançar com medidas duras e mais restritivas para as duas freguesias de Odemira, o primeiro-ministro chamou na altura a atenção para a “insalubridade habitacional inadmissível” em que vivia parte significativa da população migrante, onde eram detetáveis “riscos evidentes para a saúde pública”, para além, como também referiu, de este ser um cenário que configura “uma gritante violação dos direitos humanos”.

Cimeira social

Apesar deste cenário difícil que subsiste nas duas freguesias do concelho de Odemira, mas onde há já claros sinais de retrocesso, a realidade no restante território nacional é, contudo, diametralmente distinta, lembrando a este propósito o ministro Eduardo Cabrita os baixos índices da incidência e de propagação de Covid-19 no país.

Facto que vai permitir, como salientou, que a presidência portuguesa do Conselho da União Europeia realize com toda a segurança já na próxima sexta-feira e sábado, na cidade do Porto, a Cimeira Social, uma iniciativa que a presidência portuguesa se mostra empenhada em realizar desde a primeira hora, a que se seguirá, na semana seguinte, terça-feira, uma nova reunião sobre migrações, desta vez em Lisboa, onde são esperados “mais de uma dezena de ministros do Interior, quer da União Europeia, quer de países do norte de África”.