fbpx

António Costa saúda acordo com Reino Unido e salienta papel da Presidência Portuguesa


O primeiro-ministro, António Costa, saudou hoje a aprovação do acordo de comércio e cooperação entre a União Europeia e o Reino Unido, destacando que a presidência portuguesa se “orgulha” de ter contribuído para a consolidação de uma “parceria forte”.

“Com a aprovação hoje pelo Parlamento Europeu do acordo de comércio e cooperação entre a União Europeia e o Reino Unido abre-se um novo capítulo nas relações” bilaterais pós-Brexit, assinalou António Costa.

Na mesma mensagem, o líder do executivo salientou que a presidência portuguesa do Conselho da União Europeia se “orgulha de contribuir para desenvolver uma parceria forte com este vizinho, amigo, aliado e parceiro fundamental”.

O Parlamento Europeu anunciou na manhã desta quarta-feira a aprovação do Acordo de Comércio e Cooperação entre União Europeia e Reino Unido, que estabelece o novo quadro de relações entre as duas partes no pós-Brexit.

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, sublinhou também a importância do acordo alcançado, congratulando-se pelo significado de ter sido concretizado sob a presidência portuguesa da UE.

“É muito importante este acordo para a Europa, mas é particularmente saboroso para Portugal que tenha sido obtido durante a nossa presidência”, disse.

“Portugal é ao mesmo tempo um país europeu, a nossa área histórica de inserção é a Europa, mas nós somos ao mesmo tempo um país atlântico e a nossa relação também histórica com o Reino Unido é muito profunda”, acrescentou Augusto Santos Silva, referindo que o acordo “marca o início” de uma nova relação entre as partes.

“Esta nova relação será pontuada pela facilitação do comércio de bens entre os dois blocos, sem tarifas e nem cotas, e por uma cooperação estreita entre os dois blocos no que respeita aos assuntos judiciais, policiais e de segurança interna e este ponto é muito importante”, indicou.

O Acordo de Comércio e Cooperação, recorde-se, fora concluído em 24 de dezembro de 2020 e começou a ser aplicado provisoriamente em 1 de janeiro deste ano, com um prazo até à próxima sexta-feira, 30 de abril, para permitir a conclusão da sua revisão jurídico-linguística e aprovação pelo Parlamento Europeu.

Depois desta votação no hemiciclo europeu, o acordo sobre as relações futuras entre UE e Reino Unido entrará em vigor de forma definitiva assim que o Conselho completar o procedimento de ratificação.