fbpx

Reforço das medidas tornou possível regresso dos 2º e 3º ciclos


O ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, considerou hoje que a reabertura dos 2º e 3º ciclos é mais um passo tornado possível pelo reforço de medidas e regras de segurança em toda a comunidade escolar, que culminará, no próximo 19, com o regresso às aulas presenciais do ensino secundário.

“Com testagem, com vacinação, com todas as regras que temos de cumprir nas escolas, pudemos dar mais este passo”, disse o governante no final de uma visita à Escola Básica Francisco Arruda, em Lisboa, onde acompanhou o primeiro dia de aulas do terceiro período letivo.

No dia em que as escolas dos 2º e 3º ciclos voltam a abrir portas, Tiago Brandão Rodrigues reiterou que o plano de desconfinamento, no âmbito da pandemia de Covid-19, é composto por várias etapas e que só é possível avançar para a seguinte quando a anterior estiver “cumprida plenamente”.

“O que queremos é que entre todos possamos trabalhar para efetivamente dar cada um dos passos de forma firma e, acima de tudo, para no dia 19 podermos pensar em continuar com o nosso plano”, afirmou o ministro.

Tiago Brandão Rodrigues deixou também uma mensagem de agradecimento aos profissionais do ensino, pelo trabalho que têm desenvolvido no último ano, e sobretudo nos últimos meses, sublinhando também aquele que têm pela frente.

“Acima de tudo, o trabalho que farão neste 3º período para que possamos efetivamente ter aprendizagens significativas para cumprirmos aquilo que querermos: que pedagogicamente estas crianças possam dar o salto”, explicou.

Na Escola Básica Francisco Arruda, o primeiro dia do 3º período foi marcado pela visita do ministro da Educação e do Presidente da República, que durante quase duas horas percorreram os corredores do estabelecimento e conheceram algumas das 24 turmas que regressaram hoje ao ensino presencial.

O regresso às aulas presenciais dos 2º e 3º ciclos é uma das medidas da segunda fase do plano de desconfinamento do Governo, e vai ser acompanhado por mais uma ronda de rastreio nas escolas, testando à Covid-19, ao longo da semana, todos os cerca de 150 mil professores e funcionários dos estabelecimentos de ensino, do setor público e privado, que voltaram hoje a abrir portas.

Os profissionais do pré-escolar e 1º ciclo, que já tinham realizado um primeiro teste de diagnóstico, há duas semanas, também vão voltar a ser testados durante esta semana, mas apenas nos concelhos com um nível de incidência de casos positivos acima de 120/100 mil habitantes.

O plano de desconfinamento para o setor educativo prevê ainda, numa terceira fase, o regresso presencial dos alunos do secundário no próximo dia 19 de abril.