fbpx

Mais de 42 mil vacinas administradas


O plano de vacinação continua a bom ritmo. As ministras da Saúde e da Segurança Social estiveram ontem em Mora, distrito de Évora, a acompanhar a vacinação na unidade de cuidados continuados local.

Desde o início do plano de vacinação contra a Covid-19, a 27 de dezembro, já foram administradas 42.035 vacinas, informou a ministra da Saúde, Marta Temido, esta quarta-feira, após ter acompanhado a administração da vacina contra a Covid-19 aos utentes e funcionários da Unidade de Cuidados Continuados Integrados da Santa Casa da Misericórdia de Mora.

Marta Temido referiu, ainda, que “das 140 400 doses que o País recebeu, já fizemos distribuição de cerca de 66 700”, sendo que, as restantes “guardámos, não só para uma segunda dose, como também uma pequena quantidade de reserva para alguma situação imprevista”, sendo que, segundo anunciou, deve chegar uma nova remessa de vacinas na próxima semana.

A ministra da Saúde lembrou que a primeira fase do plano da vacinação, que deverá estar concluída “até ao final do primeiro trimestre”, abrange os profissionais de saúde e de serviços essenciais, bem como os utentes e funcionários de lares e unidade de cuidados continuados, os quais deverão receber a segunda dose da vacina 21 dias depois da primeira inoculação.

“Na segunda fase iremos avançar para outros grupos. Esta opção foi feita por razões técnicas e porque estamos a gerir um número de vacinas que ainda é relativamente limitado”, disse Marta Temido.

Lares reforçados com 12.250 trabalhadores

Por seu lado, a ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, salientou que até ao momento foram colocadas em instituições de apoio a idosos “mais de 12.250 pessoas”, através do “programa especial que criámos para ajudar as instituições a terem um reforço de recursos humanos”, de modo a responder às necessidades das instituições e tentar resolver “um problema transversal em todo o país”.

Recorde-se que o Governo criou 18 Brigadas de Intervenção Rápida que funcionam, desde outubro, nos 18 distritos do país e que contam com 400 profissionais. Estas brigadas, que entram em atuação quando as instituições não conseguem repor o número de funcionários, já foram mobilizadas em 231 situações.