fbpx

Nota de pesar pela morte de Carlos do Carmo


A Direção do Partido Socialista manifesta o seu profundo pesar e consternação pela morte do fadista Carlos do Carmo, que nos deixou aos 81 anos. Figura maior da cultura portuguesa, Carlos do Carmo elevou a forma de cantar o fado e levou o nome de Portugal além-fronteiras, onde pisou os maiores palcos mundiais.
O Secretário-geral do PS, António Costa, lembrou que Carlos do Carmo “foi fundamental para reconciliar o fado com a nossa democracia e libertá-lo da ideia tão errada da tentativa de apropriação por parte do Estado Novo”.
António Costa recordou ainda que o fadista foi “um dos pilares fundamentais” da candidatura do fado a Património Imaterial da Humanidade e “alguém que se empenhou muito na renovação geracional do fado”.
Carlos do Carmo foi mandatário de António Costa na campanha de 2009 para a Câmara Municipal de Lisboa e participou num almoço de campanha do PS nas legislativas de 2015, no qual assumiu ser um apoiante de António Costa. “Foi uma cumplicidade política que se transformou numa bela amizade”, definiu António Costa.
Vencedor do Grammy Latino de Carreira, em 2014, Carlos do Carmo despediu-se dos palcos com um concerto no Coliseu dos Recreios, em Lisboa, em novembro de 2019. O Partido Socialista endereça os seus sentidos pêsames à família de Carlos do Carmo.