fbpx

PS atento às propostas da Confederação das Micro, Pequenas e Médias Empresas


O Partido Socialista mostrou-se hoje atento às propostas apresentadas pela Confederação das Micro, Pequenas e Médias Empresas, numa reunião que o Secretário-geral Adjunto do PS, José Luís Carneiro, manteve com o presidente daquela instituição, Jorge Manuel Pisco.

No final da reunião, que decorreu na sede nacional do PS e na qual também participou o coordenador dos deputados socialistas na Comissão de Economia, Hugo Costa, o dirigente socialista revelou que irá transmitir a proposta de disponibilização de um fundo de tesouraria ao ministro da Economia. No entanto, lembrou também as medidas concretas que o Governo implementou destinadas a este segmento da economia.

“Relembro que há duas medidas que foram lançadas a pensar neste segmento muito específico da economia, nomeadamente o Programa Adaptar, que teve em vista fazer face às necessidades de reequipamento com equipamentos de proteção individual e que garantam segurança na saúde pública e a linha, que foi anunciada há dias pelo ministro da Economia, uma linha de crédito destinada de forma muito específica às micro e pequenas e médias empresas”, recordou José Luís Carneiro, que garantiu transmitir a proposta de constituição de um fundo de tesouraria ao ministro da Economia. “Trata-se de um fundo de tesouraria sem taxas de juro”, explicou.

Questionado à margem da reunião sobre a eventual alteração na legislação laboral, José Luís Carneiro esclareceu que a preocupação transmitida pela líder parlamentar tem que ver com o combate à precariedade e a regulação do teletrabalho.

“Tal como foi dito pela líder parlamentar do PS [Ana Catarina Mendes] haverá uma preocupação com a precariedade. Como aliás de se verificou durante esta crise, é algo que nos deve interpelar a todos enquanto comunidade sabermos que havia cidadãos que eram especialmente afetados pela falta de condições de proteção social”, justificou o “número dois” da direção dos socialistas.

De acordo com o secretário-geral adjunto do PS, entre as necessidades identificadas, “o teletrabalho é também uma das áreas que carece de um olhar atento para se procurar garantir que a dignidade no exercício da atividade profissional se encontra salvaguardada”. Interrogado se é intenção do PS proceder a uma revisão global das leis do trabalho, José Luís Carneiro respondeu: “Não é isso que foi afirmado”. “Não é isso que neste momento está em apreciação naquilo que tem a ver como o Grupo Parlamentar do PS”, acrescentou.