fbpx

Governo anuncia reforço do setor social


O Executivo liderado por António Costa vai lançar já no próximo mês de julho uma linha de financiamento no valor de 10 milhões de euros destinada à contratação de mais trabalhadores para o setor social. A garantia foi deixada pela ministra Ana Mendes Godinho.

Segundo a titular da pasta do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, o novo programa denominado ‘Adaptar + Social” e a respetiva linha de financiamento no valor de 10 milhões de euros, que o Governo vai lançar já em julho, destina-se a apoiar a contratação de mais recursos humanos para o setor social, a par de um reforço dos meios financeiros para ampliar a prevenção no âmbito da pandemia de Covid-19.

Segundo a ministra, que falava ontem aos jornalistas durante uma visita a um lar de idosos no concelho de Pinhel, distrito da Guarda, trata-se de um novo programa que vai dotar as instituições que trabalham na área do apoio social a disporem de mais e melhores condições, “também na aquisição de equipamentos de proteção individual”, quer ao nível dos recursos humanos, quer de financiamento para poderem responder de forma mais assertiva a uma eventual nova “fase de prevenção” da pandemia.

Durante o périplo que a governante efetuou por diversos lares, acompanhada pela secretária de Estado da Ação Social, Rita Mendes, a ministra fez um balanço das várias medidas já implementadas pelo Governo no âmbito do combate à pandemia, lembrando que o novo programa ‘Adaptar + Social’ tem também como objetivo prioritário preparar as instituições para que se “capacitem melhor” na resposta a todas as situações que eventualmente possam surgir.

Programa PARES 3.0

Ana Mendes Godinho teve também oportunidade de anunciar o lançamento pelo Governo do programa PARES 3.0, com 110 milhões de euros para todo o país, destinado ao “alargamento dos equipamentos sociais e ampliação das respostas sociais”, permitindo “chegar a mais pessoas” num momento em que o setor social “ganha cada vez mais importância na resposta às populações”, ao mesmo tempo que será também lançado, no âmbito do Programa de Estabilização Económica e Social, o programa ‘Radar social’, reservado ao apoio dos idosos e ao “reforço do serviço domiciliário”.

A ministra teve ainda ocasião de referir que apesar do “trabalho extraordinário” que foi sendo feito nos lares, na “proteção dos idosos”, o foco agora, como salientou, está em “manter a capacidade de proteção das pessoas mais vulneráveis” durante a pandemia.