fbpx

É essencial aprofundar a digitalização do comércio e serviços


O ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, defendeu hoje ser “absolutamente essencial” dar continuidade à digitalização do comércio e serviços em Portugal, destacando a “aceleração e a consciencialização” que se observaram nesta área no contexto da pandemia.

“A Covid-19 teve impactos muito trágicos na nossa atividade económica, mas nesta área trouxe duas coisas muito importantes: em todo o mundo, as pessoas aperceberam-se da importância crucial que a atividade comercial tem para o nosso bem-estar e modo de vida e tornou-se óbvio que, se não fosse o contacto digital, teria sido muito mais difícil assegurar o acesso a bens e serviços fundamentais e manter a atividade de muitas empresas do setor”, afirmou Siza Vieira, durante a apresentação das novas iniciativas do programa ComercioDigital.pt.

Na sua intervenção, o ministro referiu que, no ano passado, se constatou uma ainda “muito baixa penetração” do comércio digital no país, pelo que foi feito um “apelo para a necessidade de trazer as empresas do comércio para uma presença digital, de forma a chegarem a um universo mais alargado de consumidores”.

Neste contexto, Pedro Siza Vieira salientou que o programa ComercioDigital.pt., sendo ambicioso na escala, propondo-se chegar a 50 mil empresas, assume-se, igualmente, como realista nos objetivos, uma vez que, segundo o governante, a transição digital do setor tem de “continuar a ser acompanhada” e apoiada.

“Temos bem noção de que esta segunda fase do programa é muito importante” e que “o comércio e serviços são indispensáveis à vida moderna e à capacitação das empresas e dos consumidores para a modernização e prosperidade da nossa sociedade”, acrescentou.