fbpx

Governo apoia empresas nacionais para produção de máscaras e ventiladores


O Governo está a apoiar um centro de produção nacional de ventiladores, assim como um conjunto de empresas e entidades para o fabrico de equipamentos de proteção individual. O anúncio foi feito pelo primeiro-ministro, na passada sexta-feira, na conferência de imprensa do Conselho de Ministros dedicado às respostas à pandemia do novo coronavírus.

“Estamos a apoiar um centro tecnológico que está a desenvolver, para disponibilizar de uma forma aberta a todas as empresas, a criação de condições para a criação nacional de ventiladores”, explicou António Costa, adiantando que o Governo está também a trabalhar e a apoiar um conjunto de empresas e outras entidades que estão a reorientar a sua produção para o fabrico de equipamentos de proteção individual.

Ao mesmo tempo, acrescentou, o Executivo está a apoiar empresas que estão a desenvolver novas formas de teste rápido, sendo que algumas já se encontram a proceder a testes reais. O objetivo é criar condições para que os testes de despiste de Covid-19 possam ser massificados.

SNS com capacidade para realizar 2.500 testes diários

Já esta segunda-feira, o secretário de Estado da Saúde precisou que o Serviço Nacional de Saúde (SNS) tem, atualmente, capacidade para realizar 2.500 testes diários, a que acrescem mais cerca de 1.500 pelo setor privado, existindo uma capacidade em stock de cerca de 20 mil testes.

António Lacerda Sales salientou que a capacidade de realizar testes tem vindo “a aumentar progressivamente”, lembrando que as regras em vigor dos “tempos excepcionais” que se vivem servem, precisamente, para que o sistema de saúde “consiga dar respostas nas melhores condições possíveis”.

Para o governante, todo este tempo que se ganha serve para que o Ministério da Saúde continue a trabalhar na aquisição de equipamentos que garantam a prestação de cuidados nas melhores condições de segurança, quer para profissionais de saúde, quer para os doentes.

O secretário de Estado agradeceu ainda o trabalho realizado pelas autarquias locais e pelos autarcas do país que “se têm voluntariado no sentido de criar condições para a testagem ao coronavírus”.

“Este é o tempo de cerrarmos fileiras, de cada um fazer a sua parte, e não devemos esquecer que todos devemos ter o nosso plano de contingência”, sublinhou.

Portugal recebe esta semana quatro milhões de máscaras

António Lacerda Sales, que falava na conferência de imprensa diário do Ministério da Saúde e da Direção-Geral da Saúde, revelou também que o Estado português vai adquirir à China equipamentos de proteção e esta semana chegarão quatro milhões de máscaras.

“Teremos mais dois milhões de máscaras cirúrgicas e dois milhões de máscaras FP2 e [ainda] mais cerca de 50 mil zaragatoas”, material que será distribuído tendo em conta as necessidades, nomeadamente aos profissionais de saúde, disse o governante.

O secretário de Estado especificou que ainda hoje parte um avião com destino à China para trazer o material, estando já previstos outros voos para o mesmo destino, para trazer mais material encomendado pelo Estado português a também material encomendado por privados.

Esta segunda-feira, a Direção-Geral da Saúde atualizou para 2.060 os casos de infecção pelo novo coronavírus, mais 460 do que no domingo, registando-se 23 óbitos associado ao Covid-19, mais 9 do que no dia anterior. Dos 2.060 casos, a grande maioria, 1.859, encontram-se a recuperar em casa, com 201 internamentos hospitalares, dos quais 47 sujeitos a internamento em cuidados intensivos.