fbpx

Escola tem papel crucial na utilização segura da Internet


O ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, defendeu hoje que a escola tem um papel fundamental no esforço coletivo de contribuir para uma Internet mais segura, formando gerações para a prevenção dos riscos.

“Entendemos bem que este esforço coletivo da nossa sociedade para a transição digital tem nas escolas um papel absolutamente central”, já que as “escolas têm de ser o primeiro local em que as crianças e jovens têm de entender que a literacia para a utilização da Internet tem de ser alavancada com respeito por valores como a igualdade, tolerância e uso seguro e consciente de todas as ferramentas”, frisou o governante na data em que se celebra o Dia da Internet Mais Segura em mais de 150 países e que tem como tema este ano ‘Juntos por uma Internet melhor’.

Numa sociedade inclusiva, que se pretende cada vez mais digital, importa prevenir os riscos associados às oportunidades criadas pela poderosa ferramenta que é a Internet, promovendo uma utilização mais segura e responsável deste instrumento, considerou Tiago Brandão Rodrigues, que visitou a Escola Básica e Secundária Artur Gonçalves, em Torres Novas, acompanhado pelo ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, para ficarem a conhecer os diferentes projetos que esta comunidade educativa desenvolve no âmbito do digital.

Nas escolas de todo o país, alunos e professores vão promover várias atividades para assinalar a efeméride, no âmbito da cidadania digital, enquadradas no plano de prevenção e combate ao bullying e ao ciberbullying, recentemente lançado pela tutela.

Prevenção de todas as formas de violência

A escola é um espaço privilegiado para a promoção destes valores, bem como para a prevenção e combate a todas as formas de violência. Por isso, o ministro da Educação frisou o plano ‘Escola Sem Bullying. Escola Sem violência’, lançado pelo Executivo no mês de outubro, que pretende dotar as comunidades educativas de uma série de instrumentos que ajudem a prevenir e a combater esta nova forma de violência.

Tiago Brandão Rodrigues explicou que um dos eixos principais deste plano é a formação, sublinhando o lançamento em janeiro da segunda edição do Massive Open Online Course (MOOC) – ‘Bullying e Ciberbullying: Prevenir & Agir’, destinado a professores, educadores, pais e encarregados de educação, psicólogos, forças de segurança e outros profissionais que desempenhem funções em contextos educativos, ações que já abrangeram mais de seis mil pessoas.

O governante adiantou que, por outro lado, estão também a ser ultimados os guiões de formação a disponibilizar aos Centros de Formação de Associação de Escolas (CFAE), estando prevista a produção de materiais/referenciais de formação e propostas de atuação com os alunos, tanto para docentes como para psicólogos.

Ainda dentro do desenvolvimento da cidadania digital, o ministro da Educação mencionou o Centro de Sensibilização SeguraNet, da responsabilidade da Direção-Geral da Educação, que promove iniciativas como sessões, campanhas de sensibilização e ações de formação. Também lançou o concurso ‘Desafios SeguraNet’, que envolve cerca de 52 mil alunos, pais e professores, e a iniciativa ‘Líderes Digitais’, que tem como principal objetivo motivar os alunos para a divulgação de temáticas sobre utilização segura e responsável das tecnologias e ambientes digitais. No presente ano letivo estão inscritos nesta iniciativa cerca de três mil alunos de todos os ciclos de ensino.

Concorrentes 5G que assegurem cobertura nas escolas serão beneficiados

Recordando a aprovação, na semana passada, de uma resolução do Conselho de Ministros para a atribuição das licenças para a quinta geração das comunicações móveis (5G), Tiago Brandão Rodrigues revelou que “os concorrentes que acabarão por obter as licenças serão beneficiados se assegurarem a cobertura de 4G nas escolas do país”.

“À boleia do início do 5G é possível fazer com que todas as escolas públicas do país, mesmo as que nem agora têm muitas vezes 3G, possam ter nos próximos 18 meses o 4G”, referiu.

O ministro da Educação esclareceu que no procedimento de atribuição da banda do 5G, os licitantes que se comprometam a assegurar em período de 18 meses a cobertura em 4G da totalidade das escolas públicas de todos os níveis de ensino, serão beneficiados no concurso, designadamente através da definição de um coeficiente de majoração do valor das ofertas que surjam associadas a esse compromisso.

Uma parte das receitas deste leilão vai também para medidas destinadas a apoiar projetos para a transição e inclusão digitais, nomeadamente no mundo da educação, adiantou.