fbpx

Enorme irresponsabilidade do PSD leva a suspensão de obra essencial para portugueses


A presidente da bancada parlamentar do PS, Ana Catarina Mendes, acusou hoje o PSD de se comportar com uma “enorme irresponsabilidade” por ter votado favoravelmente propostas para suspender a construção da linha circular do Metropolitano de Lisboa, que já estava a decorrer.

“Só há uma palavra para caracterizar o PSD ao longo destes dois dias neste Orçamento do Estado: irresponsabilidade”, frisou a dirigente socialista, em declarações aos jornalistas, no Parlamento, depois de as propostas do PCP e do PAN terem sido aprovadas durante a madrugada na Comissão de Orçamento e Finanças, com a ajuda dos social-democratas.

Ana Catarina Mendes sublinhou que “aquilo que o PSD fez hoje foi somar às dificuldades dos portugueses ainda mais dificuldades com a suspensão de uma obra que é absolutamente essencial”, até porque estão em causa “muitos milhões de euros”. Já há concursos abertos, obras a decorrer e fundos comunitários que comparticipam esta obra, o que “significa que estamos a falar para lá de cem milhões de euros”, lamentou.

“Aquilo que o PSD fez aqui hoje foi quebrar o investimento público e não pensar no bem que uma rede de transportes públicos de qualidade faz às pessoas que a ela recorrem todos os dias”, reforçou. E explicou que esta atitude só se justifica por duas razões: “O PSD está a evidenciar um desnorte total e, verdadeiramente, não tem uma agenda para as pessoas, mas antes uma agenda mediática, imediatista e tremendista que não resolve nenhum problema dos portugueses”.

A líder parlamentar socialista referiu depois que o PS, ao avocar estas duas propostas para plenário esta manhã, deu “a oportunidade ao PSD de rever o seu voto. O PSD decide insistir na irresponsabilidade, os portugueses julgarão”.

Ana Catarina Mendes disse mesmo que o PCP e o PAN, que apresentaram “uma proposta para justificar ao seu eleitorado, nunca imaginaram contar com a irresponsabilidade e com o voto do PSD”.

“De resto, este Orçamento do Estado investe ainda mais nas verbas para a redução tarifária dos transportes públicos e investe ainda mais numa rede de transportes públicos que sirva os portugueses, porque é socialmente justo e ambientalmente essencial que se percorra este caminho”, acrescentou a presidente do Grupo Parlamentar do PS.