fbpx

Governo quer melhorar e qualificar acesso aos cuidados de saúde


A ministra da Saúde, Marta Temido, revelou na passada sexta-feira que o maior desafio da tutela para os próximos quatro anos é melhorar e qualificar o acesso dos utentes aos cuidados de saúde. “Claramente precisamos de aumentar o volume de atos, porque temos listas de espera”, frisou.

“Podemos perguntar se todas as pessoas que estão em lista de espera ainda precisam e se aquilo de que estão à espera é mesmo aquilo que precisariam, mas pelo simples facto de serem utentes merece-nos a melhor atenção e, portanto, uma das respostas a aumentar é o volume de atos”, referiu a governante, que se encontrava no Porto numa cerimónia de Celebração do Contrato de Autonomia dos Agrupamentos de Centros de Saúde do Porto Oriental e da Póvoa de Varzim/Vila do Conde – Direito ao Desafio.

No entanto, comparando o país em termos de volume de atos nos cuidados de saúde primários com outros países da Europa, Portugal “está bem”, sublinhou.

Relativamente à atividade de consultas, a ministra revelou que se realizam cerca de “31 milhões de consultas em saúde primária”, acrescentando que a maior falta se verifica na área hospitalar. “Os cuidados de saúde primários fizeram mais depressa a evolução e já ultrapassaram a barreira de apenas pensar em atos”, disse.

Quanto a notícias que dão conta de que equipamento no valor de 48 mil euros desapareceu do IPO em Coimbra, Marta Temido alertou que tem de se “aguardar a investigação das autoridades competentes”.

A ministra já “conversou com o conselho de administração” do IPO, que já comunicou o furto às autoridades, e salientou que se exigem “cautelas redobradas”, uma vez que “tem sido noticiado que há redes a operar na área do tráfico e furto de equipamentos”.