fbpx

Combate ao insucesso escolar é garantir que “nenhum aluno é deixado para trás”


O ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, sustentou que o plano de redução de retenções dos alunos, integrado na estratégia de promoção do sucesso escolar, não significa qualquer “eliminação administrativa” das reprovações, mas sim um trabalho ainda mais exigente de acompanhamento e apoio aos estudantes com maiores dificuldades, para garantir que “nenhum aluno fique para trás”.

“Não queremos administrativamente diminuir as retenções. Queremos fazer aquilo que é mais difícil, que é agarrar em cada um dos nossos alunos, principalmente aqueles que estão em meios socioeconomicamente mais desfavorecidos, com famílias com menos capacidade, para os ajudar no seu trabalho”, explicou o governante, em entrevista dada à agência Lusa.

Recorde-se que quase 35% dos alunos com 15 anos contam com pelo menos um ‘chumbo’ no seu currículo, o que faz com que Portugal seja “um dos grandes totalistas em percentagem de retenções” da Europa.

Um cenário que motiva a atenção do ministro da Educação, salientando Tiago Brandão Rodrigues que “as retenções nunca levam esses alunos a bom porto. Muito provavelmente levam ao abandono escolar ou uma nova repetição de ano”.

De acordo com o plano de combate ao insucesso escolar, o Executivo dará prioridade às escolas inseridas em “meios sociais e economicamente marginalizados ou mais complexos”, intensificando medidas já iniciadas na anterior legislatura, de que é exemplo a criação de um “apoio tutorial específico”, ou apostando em novos projetos, permitindo às escolas encontrar soluções adaptadas a cada um dos alunos.

Às instituições de ensino e aos professores caberá a tarefa de fazer “aquilo que é mais difícil”, ou seja, como apontou o governante, “trazer esses alunos para dentro da escola, para que nenhum possa ficar para trás”.

“Temos de encontrar medidas que possam coadjuvar o trabalho dos professores e, sempre que necessário, que possam robustecer o corpo docente, mas, acima de tudo, também poder estabilizar esse corpo docente”, acrescentou Tiago Brandão Rodrigues.

Escolas com autonomia para decidir dimensão das turmas

Na entrevista, o ministro da Educação revelou também que está a ser delineada uma medida de reforço da autonomia das escolas, que dará liberdade aos diretores dos agrupamentos para flexibilizar a constituição de turmas de diferentes dimensões, desde que necessariamente sustentadas em projetos pedagógicos.

Tiago Brandão Rodrigues acredita que a medida trará benefícios para todos. “Os diretores, dentro da sua autonomia, sabem melhor do que ninguém o que é que serve cada uma das suas turmas”, referiu, acrescentando que as direções das escolas, os conselhos pedagógicos e os conselhos de turma terão como tarefa definir o “número ótimo” de cada turma, tendo em conta o seu projeto pedagógico e observando o número de professores existentes e a dimensão dos estabelecimentos escolares.

O ministro explicou que a ideia não é o Ministério ter de saber “o que é que se está a fazer, em cada momento, em cada detalhe”, mas conhecer qual o projeto idealizado pela escola.