PS quer exemplo do seu Governo como base do manifesto socialista nas eleições europeias


O PS espera que do Congresso do Partido Socialista Europeu (PSE), entre sexta-feira e sábado, em Lisboa, resulte uma unidade programática alternativa às correntes conservadoras para as eleições europeias,tendo como base a experiência da governação portuguesa.

Os dois principais momentos do congresso acontecem na sexta-feira, na cerimónia de abertura, com o discurso do presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, e no sábado, ao início da tarde, no encerramento, com a intervenção do secretário-geral e primeiro-ministro, António Costa, numa sessão que aclamará o trabalhista holandês Frans Timmermans como candidato ao cargo de presidente da Comissão Europeia.

Além de António Costa e de Fernando Medina, discursam neste congresso eletivo do PSE o ministro das Finanças e presidente do Eurogrupo, Mário Centeno, o titular da pasta dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, a secretária-geral adjunta do PS, Ana Catarina Mendes, e o ministro das Infraestruturas e Equipamento, Pedro Marques, assim como os eurodeputados do PS Carlos Zorrinho e Pedro Silva Pereira.

Em relação aos dois dias de trabalhos políticos, a direção do PS acredita que o resultado final do congresso de Lisboa marcará um”contraste significativo” face à atual situação interna da correntede centro direita do Partido Popular Europeu (PPE).

“Tudo indica que os socialistas e sociais-democratas europeus vão sair unidos de Lisboa em torno do seu candidato à sucessão do luxemburguês Jean Claude Juncker na presidência da Comissão Europeia, o holandês Frans Timmermans, mas também unidos em torno de bases programáticas progressistas e não austeritárias para União Europeia”, defende o PS.

Na direção do PS, considera-se essencial que o manifesto eleitoral a apresentar aos europeus em maio próximo tenha como linhas programáticas prioritárias a defesa de um projeto europeu mais coeso social e territorialmente, com maior justiça e solidariedade entre os cidadãos dos diferentes Estados-membros.

Durante os dois dias de congresso, estão previstasintervenções de figuras socialistas como o líder do Partido Trabalhista do Reino Unido, Jeremy Corbin, da alta representante para a política externa esegurança europeia, a italiana Federica Mogherini, e do vice-presidente da Comissão Europeia Maros Sefcovic, num conclave em que será eleita uma nova direção do PSE. O órgão de cúpula do PSE será novamente liderado pelo búlgaro Sergei Stanishev, o qual terá como secretário-geral o germânico Achim Post.

Muitos dos delegados e ativistas do PSE chegam a Lisboa ao longo do dia de hoje começarão a estar envolvidos em iniciativas já nesta quinta-feira, caso particular dos mais dos mais jovens que estarão envolvidos em ações de formação sobre comunicação política e campanhas eleitorais.

Na sexta-feira, de manhã, antes da abertura formal dostrabalhos, o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira daSilva, e a eurodeputada socialista Maria João Rodrigues, participam num debate subordinado ao seguinte tema: “Consigo mudar o meu futuro? Vias paria umcaminho progressista na União Europeia”.