“As autoridades quando apelam à evacuação não estão a violar a Constituição, nem a lei, estão a assegurar o bem mais precioso que existe, que é a vida”


“Gostaria de insistir muito que é essencial para a perseveração da vida humana, para diminuirmos o risco de acidentes pessoais, que todos sigam as instruções das autoridades. As autoridades quando apelam à evacuação não estão a violar a Constituição, nem a lei, estão a assegurar o bem mais precioso que existe, que é a vida”, defendeu ontem António Costa. Por isso, sublinhou, “é absolutamente irresponsável qualquer tipo de apelo para que as populações não sigam estas indicações”.

Também a Proteção Civil emitiu um apelo às pessoas que se encontram na zona entre Silves e São Bartolomeu de Messines e a sul de São Marcos da Serra para que sigam as indicações das autoridades: “Devido ao fumo intenso que se faz sentir, a Proteção Civil pede às pessoas que mantenham a calma, sigam as indicações das autoridades, fechem janelas e portas e se mantenham em zonas seguras.”

Para o primeiro-ministro, o facto de neste ano ter havido menos ocorrências, menos incêndios, apesar de um estado climático mais adverso, deve-se em primeiro lugar aos “grandes esforços” de prevenção. E é importante que se mantenham esses esforços. Os dados, referiu, “são muito claros” e mostram “a capacidade que o país tem hoje de prever as situações de risco” e a resposta dada pelo conjunto de instituições.