fbpx

Ciência, Educação e Empreendedorismo são salvo-conduto para o Progresso


A comunidade ibero-americana deve voltar a sua atenção prioritariamente para o investimento na educação, na ciência e na inovação, e criar um “concurso de empreendedorismo para os jovens”, defendeu o primeiro-ministro, António Costa, na 25ª Cimeira Ibero-Americana, que decorreu este fim de semana em Cartagena das Índias, na Colômbia.

Apoiando-se no facto de a economia universal assentar hoje, mais do que nunca, no “conhecimento e na interconexão global”, cenário que, na opinião do primeiro-ministro português, permite que se tenha criado um “ecossistema ideal” para que o “empreendedorismo” possa abrir novas oportunidades à “capacidade de iniciativa dos jovens” do espaço ibero-americano.

Partindo deste pressuposto, o primeiro-ministro defendeu que se deve avançar com a ideia de se constituir um “manual de educação para a inovação e o empreendedorismo” no espaço ibero-americano, bem assim como com a construção de uma “plataforma eletrónica”, visando “incentivar e facilitar a troca de informação”.

Mas outras iniciativas devem ser ainda consensualizadas no seio dos países ibero-americanos, segundo o primeiro-ministro, tendo-se referido, nomeadamente, à necessidade de se avançar com a criação de um “concurso de empreendedorismo jovem” voltado para “a sociedade civil”, lembrando a propósito que, “mau grado a crise económica recente”, Portugal está hoje a beneficiar do investimento em ciência e educação que começou a fazer nas últimas décadas.

Esta aposta, ainda segundo António Costa, permitiu o aparecimento em Portugal de uma cultura de jovens empresários nas áreas das tecnologias de informação e comunicação, bem como nas áreas de “tecnologias avançadas como a biotecnologia”, sendo que, “neste momento”, como recordou, 50% do novo emprego criado em Portugal “é criado por empresas que têm menos de cinco anos”.

Portugal e Espanha dois bons exemplos

António Costa congratulou-se ainda com o facto de os dois países europeus que integram a Comunidade Ibero-Americana, Portugal e Espanha, serem os únicos na União Europeia onde o populismo xenófobo “não encontrou qualquer tipo de expressão”, quando o que parece estar a ser a regra, lamentou o primeiro-ministro, é os restantes países europeus “estarem a reforçar as tentações de protecionismo ou a avançar para a construção de muros que impeçam a mobilidade”.

O primeiro-ministro mostrou ainda orgulho por Portugal, tal como a vizinha Espanha, estar entre os que mais se tem batido na União Europeia por acelerar os acordos económicos entre a Europa e os espaços regionais, designadamente, como referiu, com o Mercosul.

António Costa teve ainda oportunidade, no final dos trabalhos, de anunciar que está a preparar “para muito breve” uma visita oficial à Argentina, país que o primeiro-ministro considera estar hoje “num momento de viragem económica muito importante”, tendo ainda comunicado que Portugal e o Chile vão assinalar, em 2020, os 500 anos da viagem de circum-navegação de Fernão Magalhães.

Na ocasião, lembrou ainda as conversações que manteve com as autoridades do Panamá, nesta Cimeira, “outro dos países ibero-americanos com quem Portugal tem excelentes relações de amizade”, com vista a estreitar as relações entre as autoridades do Canal do Panamá e o Porto de Sines.

O primeiro-ministro felicitou ainda o Presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos Calderón, anfitrião desta Cimeira, pela recente atribuição do Prémio Nobel da Paz.