fbpx

Constança Urbano de Sousa sugere que terras abandonadas passem a ser comunitárias


A ministra da Administração Interna manifestou-se a favor de uma “utilização comunitária” para os terrenos florestais que estão ao abandono por parte dos proprietários privados.

“Temos também que rever o nosso sistema de propriedade, porque, se as pessoas abandonam as suas terras e não têm interesse nelas, deveremos encontrar uma solução para haver uma utilização comunitária [desses terrenos]”, afirmou aos jornalistas Constança Urbano de Sousa.

Desenvolver um cadastro florestal que ajude a identificar terras abandonadas seria “muito útil”

Numa visita ao comando de operações da Proteção Civil em Castelo de Paiva, um dos municípios atingidos por incêndios nos últimos dias, a ministra afirmou que a floresta portuguesa “está muito repartida em pequenos pedaços que são de propriedade privada” e defendeu que a ideia de se desenvolver um cadastro florestal que ajude a identificar terras abandonadas seria “muito útil”.

“É uma ideia que deve ser ponderada, bem refletida e penso que muito útil”, declarou a governante.