Compromisso do PS é defender o Serviço Nacional de Saúde


“Desde 2015 estamos a fazer justiça e a recuperar o SNS. Repuseram-se salários, aumentaram-se os efetivos, repuseram-se as 35 horas de trabalho, transferiram-se mais 700 milhões, baixaram-se taxas moderadoras, valorizaram-se carreiras profissionais, libertou-se a inovação terapêutica e desenvolveu-se um plano de investimentos em novos hospitais e centros de saúde”, defendeu, no Parlamento, o deputado do PS António Sales.

O coordenador do PS na Comissão de Saúde deixou um alerta aos partidos da direita: “Tudo é bem diferente em 2018, mesmo quando alguns persistem em negar ou ignorar as evidências”.

“O Serviço Nacional de Saúde é um combate de todos os dias. Foi um combate no passado quando, contra a vontade de alguns, aprovámos a lei do Serviço Nacional de Saúde. É um combate do presente quando lutamos contra as desigualdades de acesso, quando garantimos a qualidade dos cuidados de saúde, quando valorizamos as carreiras profissionais”, sublinhou o socialista durante uma interpelação do PEV ao Governo sobre a defesa do SNS.

Também é um combate pelo futuro do Serviço Nacional de Saúde “quando o protegemos de ameaças económicas, políticas, ideológicas e de diferentes grupos de interesses”, apontou.

Por isso, António Sales pediu a todos os partidos para que, “mais do que desperdiçar energias a combater o acessório”, olhem para a realidade e se concentrem na consolidação do futuro.

“A crescente procura face a recursos finitos deve ser sempre a nossa principal preocupação no sentido de garantir que todos os cidadãos conseguem obter uma resposta eficaz em tempo oportuno para a sua situação clínica”, alertou.

Porque “defender o SNS é defender os que não têm vez e os que não têm voz”, o Partido Socialista nunca abdicará de lutar pela sua sustentabilidade, modernização e organização, garantiu António Sales.